Devolução do auxílio emergencial: governo recebeu quase R$ 5 bilhões

Declaração do Imposto de Renda acelerou a devolução do dinheiro do auxílio emergencial. Somente em abril, R$ 700 milhões retornaram aos cofres da União.

parcelas extras do auxílio emergencial: pessoa segurando dinheiro e smartphone

Em junho, já será feito o depósito da terceira parcela. - Foto: Agência Brasil

O novo secretário do Tesouro Nacional, Jeferson Bittencourt, informou que já foram devolvidos quase R$ 5 bilhões de reais do auxílio emergencial que foram pagos de forma indevida.

Segundo ele, somente no mês de abril, R$ 700 milhões foram devolvidos aos cofres públicos. Apesar de não ter dado detalhes sobre o motivo crescente das devoluções do auxílio emergencial, acredita-se que há relação com o Imposto de Renda (IR).

A declaração do IR termina nesta segunda-feira (31/05) e o auxílio emergencial deve ser decretado como um rendimento não tributável. A Lei de obrigação da declaração do benefício foi aprovada pelo Congresso em março de 2020.

Auxílio emergencial no Imposto de Renda

De acordo com o governo federal, o auxílio emergencial não é um rendimento tributável. Portanto, no momento de somar os ganhos do ano, não é necessário incluir o benefício na conta. Mas, conforme a lei do Congresso, é preciso informar que houve recebimento do dinheiro.

Na prática, para ter que devolver o auxílio emergencial, é necessário que o contribuinte tenha ganhos de mais de R$ 22 mil de rendimentos tributáveis ao longo de 2020. Se isso ocorrer, o benefício passa a ser considerado indevido e é por isso que deve ser retornado.

Como fazer a devolução do auxílio emergencial

A restituição do benefício deve ser feita por quem teve ganhos superiores a R$ 22 mil ou que não se enquadra nas regras originais do benefício. Para fazer a devolução do auxílio emergencial, basta seguir os seguintes passos:

  • Entre no site de devolução do auxílio emergencial;
  • Digite o seu CPF e a data de nascimento;
  • Siga as instruções da página;
  • Por fim, uma Guia de Recolhimento da União (GRU) será gerada para ser paga em qualquer banco. Pague a GRU e anexe o comprovante em sua declaração do Imposto de Renda.

Com o pagamento da devolução, o indivíduo fica livre de qualquer tipo de problema no futuro.

Carlos Rocha
Redator
Jornalista formado (UFG), atualmente redator no site Concursos no Brasil. Foi roteirista do Canal Fatos Desconhecidos (YouTube) por um ano e meio. Produziu conteúdo de podcast para o Deezer. Fez parte da Rádio Universitária (870AM) por três anos e meio como apresentador no Programa Fanático e como repórter, narrador e comentarista da Equipe Doutores da Bola. Fã de futebol, NFL e ouvinte de podcast.

Compartilhe

Especial Auxílio Emergencial

Veja mais »