Enem 2020: Aplicação de provas será digital em fase piloto

Expectativa é de que até 2026 a versão em papel seja extinta.

O Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) será aplicado também de forma digital em 2020. É o que ficou definido no anúncio feito nesta quarta, pelo Ministro da Educação e sua equipe. Essa edição será um teste piloto e a implantação do Enem Digital será progressiva, com início no próximo ano e previsão de consolidação em 2026. A edição que será realizada em 2019 não sofre nenhuma alteração.

De acordo com o portal do MEC, nessa fase piloto, o candidato pode optar, no momento da inscrição, por realizar o exame virtual ou de forma presencial. No primeiro ano de teste, o modelo digital será aplicado para 50 mil pessoas em 15 capitais do país.

Para o teste piloto, o governo federal pretende realizar o exame em várias datas ao longo do ano, por agendamento. A aplicação presencial permanecerá em dois domingos, nos dias 11 e 18 de outubro, e os resultados serão divulgados de forma conjunta. As capitais que irão receber a novidade em 2020 serão: Belém (PA), Belo Horizonte (MG); Brasília (DF); Campo Grande (MS); Cuiabá (MT); Curitiba (PR); Florianópolis (SC); Goiânia (GO); João Pessoa (PB); Manaus (AM); Porto Alegre (RS); Recife (PE); Rio de Janeiro (RJ); Salvador (BA); São Paulo (SP).

O Ministro da Educação, Abraham Weintraub, publicou em suas redes sociais sobre o otimismo com a novidade "O futuro que se abre vai tornar o exame acessível a mais municípios, com mais opções de datas para realizar as provas, mais seguro e interativo", comentou ele em sua página no Twitter.

Com a consolidação desse novo sistema existe uma projeção de economia com a impressão de papel e um ganho para o meio ambiente. De acordo com dados do Portal do MEC, em 2019, mais de 10,2 milhões de provas serão impressas para o Enem. Os custos com a aplicação superam R$ 500 milhões para os mais de 5 milhões de participantes confirmados na edição.

Com o Enem Digital existirá ainda a possibilidade de utilização de novos tipos de questões com vídeos, infográficos e até a lógica dos games. Com essa novidade, mais municípios poderão aplicar os exames. 

Opinião

A equipe do Concursos no Brasil procurou opiniões de pessoas ligadas a educação sobre a novidade divulgada pelo MEC e, elas vieram acompanhadas de receio pelos possíveis riscos de ataques de hackers da internet.

Para o professor e editor do portal Concursos no Brasil, Alberto Vicente, há benefícios claros, pois é provável que até mesmo o resultado deva sair mais rápido, porém, é preciso ter cautela. "Nossa esperança é de que o governo reforce ainda mais a segurança da avaliação, pois, com a digitalização, essa questão é crucial. Vai ser necessário estar sempre alerta para se combater possíveis vulnerabilidades ou tentativas de fraudar o exame", comentou.

A professora de ensino médio da rede pública estadual baiana, Verônica Lacerda, tem a mesma preocupação. Ela considera que a iniciativa é um avanço, mas pode ser perigoso. "O que sabemos de imediato é que será feito, mas não sabemos ainda como. O medo é da vulnerabilidade do processo, a segurança dos arquivos e a certeza, que não temos, de que algo não pode ser violado. A internet tem se mostrado, em muitos âmbitos, terra de ninguém. Vamos aguardar a divulgação de outras informações posteriormente", concluiu. 

Compartilhe

Comentários