Escolas só devem ficar fechadas caso não exista opção, dizem entidades

De acordo com a OMS, o Unicef e a Unesco, a retomada das instituições escolares deve ser feita conforme plano detalhado de protocolos. Saiba mais!

Escolas só devem ficar fechadas caso não exista opção: sala de aula com carteiras desocupadas

O objetivo do guia é de ajudar governos a tomar decisões sobre o funcionamento das escolas durante a pandemia. - Foto: pixnio

Conforme o guia atualizado sobre as medidas de segurança na volta às aulas, o fechamento das escolas deve ser considerado somente quando não existirem outras alternativas cabíveis. As orientações com os novos protocolos de segurança, especificamente para evitar o contágio da COVID-19, foram publicadas por meio de três entidades:

De acordo com o documento atualizado na última segunda-feira (14/09), o objetivo é de ajudar governos a tomar decisões sobre o funcionamento das escolas durante o período de pandemia.

Acompanhe a matéria completa e fique por dentro de mais detalhes sobre o assunto. Não se esqueça de conferir outros conteúdos de nosso site, como simulados e artigos. Temos certeza de que existe um material feito especialmente para você!

Protocolos para a retomada das atividades escolares

De acordo com o guia das três entidades, a retomada das instituições escolares deve ser feita com base em um plano detalhado de protocolos, que inclui:

  • Distanciamento social;
  • Limitação do número de pessoas, com modificações de horários e revezamentos de turmas;
  • Uso de máscaras;
  • Medidas de higiene;
  • Plano de ventilação adequada; e
  • Cuidados com aqueles que possam estar doentes.

“As decisões sobre o fechamento total ou parcial ou reabertura devem ser tomadas com base no nível local de transmissão de SARS-CoV-2 e na avaliação de risco. (...) O fechamento de instalações educacionais só deve ser considerado quando não houver outras alternativas”, informam as entidades por meio do guia atualizado.

No final de agosto de 2020, a OMS já havia informado que as instituições escolares deveriam promover os mesmos protocolos gerais de higiene e distanciamento social. Entretanto, dependendo da fase da pandemia, "medidas adicionais" também deveriam ser aplicadas.

Brasil: 39% dos estudantes de escolas públicas não têm computador ou tablet

No início de junho de 2020, foi liberada a pesquisa TIC Educação. Os dados nacionais apontam que 39% dos estudantes de escolas públicas não possuem computador ou tablet em casa. Com o fechamento das unidades escolaridades para evitar contágio da COVID-19, muitos alunos saíram prejudicados pela ausência dos equipamentos.

A pesquisa também reuniu outros dados sobre o acesso à internet, comparando a situação entre os estudantes de escolas públicas e particulares. Confira:

  • Conectividade: 21% dos alunos de escolas públicas apenas acessam a internet pelo celular. Na rede privada, o percentual é de apenas 3%;
  • Plataformas virtuais: 14% das escolas públicas (estaduais e municipais) já tinham plataforma virtual de aprendizagem antes da pandemia;
  • Professores: 53% dos docentes afirmaram que a falta de curso para o manuseio do computador dificulta os trabalhos.
Bruno Destéfano
Redator
Nasceu no interior de Goiás e se mudou para a capital, Goiânia, no início de 2015. Seu objetivo era o de cursar Jornalismo na UFG. Desde o fim de sua graduação, já atuou como roteirista, gestor de mídias digitais, assessor de imprensa na Câmara Municipal de Goiânia, redator web, editor de textos e locutor de rádio. Escreveu dois livros, sendo um de ficção e outro de não-ficção. Também recebeu prêmios pela produção de um podcast sobre temas raciais e por seu livro-reportagem "Insurgência - Crônicas de Repressão". Atualmente, trabalha como redator web no site "Concursos no Brasil" e está participando de uma nova empresa no ramo de marketing digital.

Compartilhe

Comentários