Fila de espera do auxílio emergencial tem mais de 800 mil pessoas

Cerca de 885 mil famílias não receberão a primeira parcela e ainda estão esperando o resultado das contestações do auxílio emergencial 2021.

fila de espera do auxílio emergencial: logo do auxílio emergencial em fundo azulado

Ainda há orçamento para aprovação de novos beneficiários. - Foto: Reprodução/Governo Federal

O Ministério da Cidadania (MC) informou que a lista de espera do auxílio emergencial chega a 885 mil pessoas que contestaram o benefício negado e estão há dois meses sem resposta. Esse número conta apenas as famílias de baixa renda que contaram com o dinheiro em 2020, mas não receberam a primeira parcela de 2021. A quantidade de beneficiários excluídos pode ser ainda maior após a segunda cota.

Quando o auxílio emergencial deste ano foi autorizado, o governo informou que 45,6 milhões de pessoas teriam direito às parcelas. No entanto, até agora, apenas 39,1 milhões foram aprovados. Quem contestou, e está aguardando a resposta há pelo menos dois meses, já está há seis meses sem renda e sem ajuda do governo.

Pedidos de reanálise da primeira parcela do auxílio emergencial negado

A primeira contestação do auxílio emergencial em 2021 somou 1,041 milhão de pessoas pedindo reanálise do resultado negativo para as novas parcelas. De acordo com apurações do Metrópoles, apenas 155,9 mil dos recursos foram processados e quem está nesse grupo tem acesso à resposta desde o dia 14 de maio. 

“Já as contestações dos demais lotes estão em processamento e o resultado será divulgado em breve. Cabe informar que os beneficiários do PBF [Programa Bolsa Família] considerados elegíveis recebem retroativamente, na folha de pagamento de maio, o valor da parcela de abril”, afirmou o Ministério da Cidadania em nota.

No comunicado, a pasta pontuou ainda que só puderam contestar o benefício negado quem teve justificativa passível de reanálise. Ou seja, quem deixou de ganhar o dinheiro por erros no sistema ou dados desatualizados. Mais pessoas devem ter entrado na lista de espera do auxílio emergencial após o pagamento da segunda parcela, uma vez que há revisão cadastral para cada cota.

O público em geral pôde entrar com recurso contra a negativa da segunda cota até o dia 27 de maio e beneficiários do Bolsa Família tiveram o prazo encerrado no dia 01 de junho. 

Novas pessoas podem ser adicionadas à lista do auxílio emergencial 2021

O número de beneficiários aprovados no auxílio emergencial 2021 é menor do que o previsto originalmente. Sendo assim, há um orçamento remanescente de R$ 8 bilhões para aumentar o público atendido pelo governo federal. O secretário do MC, Martim Ramos Cavalcanti, afirmou que uma nova medida provisória está pronta para ser apresentada com o objetivo de incluir mais brasileiros no programa.

Segundo a pasta, estão sendo tomadas “as medidas necessárias para alcançar, com o auxílio emergencial 2021, o maior número de famílias em situação de vulnerabilidade” dentro do orçamento de 44 bilhões. Vale ressaltar também que deputados e senadores estão fazendo pressão para que o valor das parcelas seja maior, uma vez que as quantias atuais não são suficientes.

Isadora Tristão
Redatora
Nascida na cidade de Goiânia e formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Goiás, hoje, é redatora no site "Concursos no Brasil". Anteriormente, fez parte da criação de uma revista voltada para o público feminino, a Revista Trendy, onde trabalhou como repórter e gestora de mídias digitais por dois anos. Também já escreveu para os sites “Conhecimento Científico” e “KoreaIN”. Em 2018 publicou seu livro-reportagem intitulado “Césio 137: os tons de um acidente”, sobre o acidente radiológico que aconteceu na capital goiana no final da década de 1980.

Compartilhe

Especial Auxílio Emergencial

Veja mais »