Governo pode adiar envio de Reforma Administrativa para o ano 2021

O objetivo seria de esperar pelo resultado das eleições nas presidências da Câmara e do Senado. Saiba mais detalhes!

Governo pode adiar envio de Reforma Administrativa para o ano 2021: panorama da fachada do Congresso Nacional. A imagem foi registrada à noite

O texto da proposta ainda não foi oficialmente divulgado pelo governo federal. - Foto: Pedro França/Agência Senado

Depois de protelar diversas vezes para dar início ao debate sobre a Reforma Administrativa no Congresso, o governo decidiu encaminhar a proposta apenas em 2021. De acordo com informações do jornal “O Globo”, a estratégia agora é aguardar pelo resultado das eleições para as presidências da Câmara dos Deputados e do Senado.

O texto da proposta ainda não foi oficialmente divulgado pelo governo federal. Entretanto, a equipe econômica já mencionou algumas ideias que podem estar presentes no projeto de lei. Uma delas diz respeito à maneira que as mudanças vão afetar os servidores públicos.

É possível que a Reforma Administrativa só venha a impactar aqueles que forem contratados após a aprovação da medida. Dessa maneira, os servidores atuais não seriam contemplados com as normas que ainda estão em debate interno.

Acompanhe a matéria completa e fique por dentro de mais detalhes sobre o assunto. Não se esqueça de conferir outros conteúdos de nosso site, como simulados e artigos. Temos certeza de que existe um material feito especialmente para você!

Envio da Reforma Administrativa e salários dos servidores públicos

Parte da resistência para enviar a proposta da Reforma Administrativa pode estar vindo de Jair Bolsonaro. No início de agosto, em reunião por videoconferência com servidores da Controladoria-Geral da União (CGU), o ministro Wagner Rosário supostamente destacou que o presidente pretende aumentar o salário dos servidores públicos até dezembro de 2022.

Os reajustes vão na contramão de um dos pilares da Reforma Administrativa, cujo objetivo é reduzir os gastos públicos com o funcionalismo e extinguir a progressão automática na carreira. Além disso, o ministro da CGU também disse que os temas abordados na proposta ainda estão passando por análises criteriosas e que o Jair Bolsonaro não compactua com alguns trechos.

"O presidente falou na reunião: ‘Eu queria dar um aumento salarial para os servidores antes de terminar meu mandato, no meu mandato eles não tiveram nenhum aumento’”, relatou o ministro da CGU, de acordo com informações do jornal O Globo.

Bruno Destéfano
Redator
Nasceu no interior de Goiás e se mudou para a capital, Goiânia, no início de 2015. Seu objetivo era o de cursar Jornalismo na UFG. Desde o fim de sua graduação, já atuou como roteirista, gestor de mídias digitais, assessor de imprensa na Câmara Municipal de Goiânia, redator web, editor de textos e locutor de rádio. Escreveu dois livros, sendo um de ficção e outro de não-ficção. Também recebeu prêmios pela produção de um podcast sobre temas raciais e por seu livro-reportagem "Insurgência - Crônicas de Repressão". Atualmente, trabalha como redator web no site "Concursos no Brasil" e está participando de uma nova empresa no ramo de marketing digital.

Compartilhe

Especial Auxílio Emergencial

Veja mais »