Guedes sobre congelamento de salários dos servidores: “patriotismo”

Ministro comentou sobre congelamento de salários e elogiou os servidores. Fala é bem diferente da que ocorreu em fevereiro de 2020.

Guedes sobre congelamento de salários dos servidores: “patriotismo”, Paulo Guedes discursando

Ministro elogiou servidores públicos. - Foto: Ministério da Economia/ Divulgação

Durante o 39º Encontro Nacional do Comércio Exterior (Enaex), o ministro da Economia, Paulo Guedes, disse que o congelamento de salários dos servidores públicos foi necessário e que eles aceitaram com patriotismo.

“Os salários estavam muito acima da média do setor privado, e o funcionalismo, com patriotismo, porque não houve grandes reclamações, aceitou essa contribuição de não pedir aumento durante este ano de pandemia e o ano que vem, quando estaremos ainda com o efeito devastador sobre as finanças públicas”, afirmou.

Fenafisco criticou a fala de Guedes

A Federação Nacional do Fisco Estadual e Distrital (Fenafisco) não gostou da fala de Guedes e criticou o congelamento dos salários dos servidores públicos. Para a Fenafisco, uma saída seria tributar as pessoas que possuem mais dinheiro, “os super-ricos".

“É importante ressaltar que existem inúmeras formas de arrecadação para o Estado que poderiam financiar o gasto com o necessário programa social. A criação de novas alíquotas de Imposto de Renda para pessoas físicas que recebem as mais altas rendas possibilita, por si só, incremento de R$ 158 bilhões ao ano, como demonstramos no documento ‘Tributar os super-ricos para reconstruir o país'”, diz a nota.

Guedes já chamou servidores de parasitas

Em fevereiro de 2020, durante uma palestra na Fundação Getúlio Vargas, no Rio Janeiro, o ministro viveu um de seus momentos mais polêmicos. Guedes falou sobre a situação econômica do governo e chamou os servidores de parasitas.

“O governo está quebrado. Gasta 90% da receita toda com salário e é obrigado a dar aumento de salário. O funcionalismo teve aumento de 50% acima da inflação, tem estabilidade de emprego, tem aposentadoria generosa, tem tudo, o hospedeiro está morrendo, o cara virou um parasita, o dinheiro não chega no povo e ele quer aumento automático, não dá mais”, disse na época.

A fala gerou uma forte reação negativa por parte dos servidores públicos, parlamentares e da sociedade em geral. O ministro tentou se retratar depois, mas demorou algumas semanas para a situação ficar mais calma.

Carlos Rocha
Redator
Jornalista formado (UFG), atualmente redator no site Concursos no Brasil. Foi roteirista do Canal Fatos Desconhecidos (YouTube) por um ano e meio. Produziu conteúdo de podcast para o Deezer. Fez parte da Rádio Universitária (870AM) por três anos e meio como apresentador no Programa Fanático e como repórter, narrador e comentarista da Equipe Doutores da Bola. Fã de futebol, NFL e ouvinte de podcast.

Compartilhe

Comentários