Indústria volta a crescer após dois meses de queda

Crescimento da indústria em maio foi de 7% após dois meses de queda. Mesmo assim, 2020 ainda apresenta números negativos.

Indústria volta a crescer após dois meses de queda, trabalhador em uma indústria

Crescimento de 7% ainda é pouco se comparado com as quedas ao longo do ano. - Foto: Pixabay

Nesta quinta-feira (02/07), o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que a indústria nacional voltou a crescer após dois meses de queda. De acordo com o instituto, o aumento na produção industrial no mês de maio foi de 7%, se comparado com abril, mês que registrou um recorde negativo de 18%.

Entre os setores que apresentaram os melhores resultados estão o de veículos automotores, reboques e carrocerias, que teve crescimento de 244,4%; o de bebidas, com alta de 65,6%; e o de coque, produtos derivados do petróleo e biocombustíveis, que aumentou 16,2%.

Apesar do bom resultado do mês de maio, é preciso lembrar que a indústria brasileira ainda tem um longo caminho pela frente para se recuperar. Se somadas, as quedas de março e abril chegam a 26,3%, o nível mais baixo já registrado na história.

Além disso, o mês de maio de 2020 só apresenta bons resultados quando comparado com o mês de abril de 2020. Se a comparação for feita com maio de 2019, já não é possível falar em bom desempenho da indústria. Neste caso, a queda seria de 21,9%. Ou seja, em maio de 2019, houve uma produção muito maior.

A queda da produção industrial está atrelada ao novo coronavírus (COVID-19). A pandemia fez com que muitas fábricas fechassem suas portas temporariamente ou tivessem que reduzir sua produção.

Desempenho em 2020 preocupa

Se forem levados em consideração os dados referentes ao ano de 2020, a queda está em 11,2%. O que ajudou os números a não serem tão ruins foram os meses de janeiro e fevereiro, onde a produção foi positiva em relação aos meses anteriores.

Acredita-se que a recuperação da indústria deverá ser feita de forma gradual e lenta. Com isso, o país demorará anos para poder atingir o seu melhor patamar, registrado em 2011.

Instituições apontam queda do PIB

Em junho, o Banco Central (BC) divulgou sua estimativa para o PIB de 2020. Segundo o BC, haverá queda de 6,4% em 2020. A previsão do BC é similar com a que foi feita pelo mercado (Relatório Focus), que aponta recessão de 6,5%.

Outras instituições esperam um desempenho pior. O Banco Mundial estima uma queda de 8%. De todos, o Fundo Monetário Internacional (FMI) é o que acredita na maior queda: 9,1%.

Veja também:

Compartilhe

Comentários