Ipea propõe corte de salários e de jornadas de trabalho

Mesmo com o fim da pandemia, o Ipea, órgão ligado ao Ministério da Economia, sugere corte de salários e de jornadas de trabalho

Ipea propõe corte de salários e de jornadas de trabalho, carteira de trabalho

Cortes são propostos para mitigar efeitos da crise econômica nas empresas. - Foto: Wikimedia Commons

O Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea), órgão vinculado ao Ministério da Economia, divulgou suas sugestões econômicas ao país por meio do relatório “Brasil Pós COVID-19". Entre elas está a de que o Ipea propõe corte de salários e de jornadas de trabalho mesmo após a pandemia provocada pelo novo coronavírus.

No documento, existe por exemplo uma proposta de retirada de impostos sobre os salários, sendo que no caso haveria um benefício especial para contratos que tivessem jornadas consideradas como parciais. Ao mesmo tempo, se criaria instrumentos para agilizar o corte das remunerações e do tempo trabalhado.

A divulgação do relatório coincide com o aumento de desemprego no país, que a cada mês vem batendo recordes. Por isso, há uma preocupação por parte do Ministério da Economia em como gerar novas vagas e ao mesmo tempo manter quem está empregado. O Ipea defende que a crise ainda terá reflexos por muito tempo e que por isso, as medidas seriam necessárias.

Concomitantemente, não há um detalhamento sobre como as taxações serão compensadas, mesmo que temporariamente. Existem propostas como cobranças em horas extras, mas sem um estudo de impacto. Além disso, a redução dos proventos e da carga de trabalho seriam para remunerações de até três salários mínimos.

Ipea reconhece que governo não tem dinheiro

Se por um lado o Ipea recomenda os cortes nos salários e nas jornadas, pelo outro, não há uma explicação sobre como o trabalhador obterá uma renda maior após os cortes. Durante a pandemia, foi autorizado que empresas cortassem as remunerações e a carga horária de trabalho, desde que houvesse um acordo com os empregados.

Em contrapartida, o governo federal compensou os trabalhadores complementando uma parte dos salários por meio do Benefício Emergencial de Preservação do Emprego e Renda (BEm). Mais de R$ 51 bilhões foram gastos, segundo o Ministério da Economia. No caso de agora, o Ipea reconhece que não há dinheiro disponível para que parte da renda do trabalhador venha de recursos da União.

PIB crescerá em 2021

Por fim, o órgão estimou que o PIB brasileiro voltará a crescer em 2021. Segundo o Ipea, a alta prevista é de 3,6%. Para 2020, de acordo com o Ipea, o PIB cairá 6%, número diferente do estimado pelo próprio Ministério da Economia anteriormente, 4,7%.

Carlos Rocha
Redator
Jornalista formado (UFG), atualmente redator no site Concursos no Brasil. Foi roteirista do Canal Fatos Desconhecidos (YouTube) por um ano e meio. Produziu conteúdo de podcast para o Deezer. Fez parte da Rádio Universitária (870AM) por três anos e meio como apresentador no Programa Fanático e como repórter, narrador e comentarista da Equipe Doutores da Bola. Fã de futebol, NFL e ouvinte de podcast.

Compartilhe

Especial Auxílio Emergencial

Veja mais »