Jair Bolsonaro: “o que o Paulo Guedes está propondo não é CPMF”

Bolsonaro disse que Guedes não estaria querendo recriar a CPMF e que o novo imposto seria uma forma de compensação.

Jair Bolsonaro: “o que o Paulo Guedes está propondo não é CPMF”, Bolsonaro com máscara

Bolsonaro defendeu ideia de Paulo Guedes. - Foto: Palácio do Planalto

Neste sábado (18/07), o presidente Jair Bolsonaro negou que o ministro Paulo Guedes esteja querendo instituir uma nova CPMF aos contribuintes brasileiros. A fala ocorreu na entrada do Palácio da Alvorada, onde Bolsonaro foi conversar com alguns apoiadores que estavam presentes para verem o hasteamento da bandeira nacional.

Segundo Bolsonaro, o imposto proposto pelo ministro não tem relação com a CPMF. “O que o Paulo Guedes está propondo não é CPMF, é uma tributação digital pra financiar um programa”, afirmou o presidente.

O presidente ainda justificou que o encargo tem como função desonerar “É uma compensação, é eliminar um montão de encargo em troca de outros”, afirmou.

A principal bandeira do governo é que, com o novo imposto e a retirada de encargos dos empregadores geraria mais empregos. A teoria de Guedes sofre muita rejeição por parte de economistas e também de parlamentares do Congresso por verem equívocos na ideia do ministro.

Reforma tributária

O novo imposto criado por Guedes faz parte da reforma tributária que será apresentada ao congresso pelo ministro da Economia. Segundo ele, o país precisa passar por reformas estruturais e uma delas é a tributária.

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM - RJ), considera a reforma tributária como algo essencial ao Brasil. Para ele, o atual sistema tributário trava o país. Ao mesmo tempo, Maia já disse em mais de uma ocasião que é contra a adição de um novo imposto com características da CPMF.

O que foi a CPMF

A Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) foi um imposto criado em 1997 que tinha como objetivo taxar qualquer tipo de movimentação bancária. As exceções eram saques de seguro-desemprego, aposentadorias, transferência de dinheiro para contas do mesmo dono e negociações na bolsa.

Ou seja, se você fosse realizar um pagamento ou fizesse uma transferência de dinheiro para um amigo ou parente, o governo cobrava a taxa. O imposto não foi bem recebido e era visto como abusivo. Após um pouco mais de uma década de duração, a CPMF foi extinta.

Apesar de não incidir em todas as movimentações financeiras, como era a CPMF, o novo imposto proposto por Guedes é bastante semelhante e utiliza o mesmo princípio de se taxar transferências e pagamentos, por exemplo. A única diferença é que ocorreria de forma digital. Considerando que o serviço bancário digital cresce a cada ano, milhões de brasileiros seriam afetados.

Veja também:

Carlos Rocha
Redator
Jornalista formado (UFG), atualmente redator no site Concursos no Brasil. Foi roteirista do Canal Fatos Desconhecidos (YouTube) por um ano e meio. Produziu conteúdo de podcast para o Deezer. Fez parte da Rádio Universitária (870AM) por três anos e meio como apresentador no Programa Fanático e como repórter, narrador e comentarista da Equipe Doutores da Bola. Fã de futebol, NFL e ouvinte de podcast.

Compartilhe

Especial Auxílio Emergencial

Veja mais »