Lojas de shoppings têm até 90% de queda em vendas após reabertura

A queda em vendas após a reabertura das atividades, de acordo com a Alshop, a foi expressiva para grande parte dos lojistas de São Paulo. Confira os detalhes!

Queda em vendas após reabertura: enquadramento fechado em Nabil Sahyoun, presidente da Alshop

De acordo com Nabil Sahyoun (foto), os prejuízos foram estimados em 35 bilhões de reais. - Foto: Flickr

Na capital paulista, pelo menos 32% dos lojistas de shoppings tiveram até 90% de queda em vendas após reabertura das atividades. Esse levantamento foi realizado pela Associação Brasileira de Lojistas de Shopping (Alshop) entre os dias 24 e 26 de junho de 2020.

"A queda foi vertiginosa nas vendas, o que mostra o quanto o setor do comércio foi comprometido com a pandemia", afirmou Nabil Sahyoun, presidente da Alshop.

De acordo com o representante da entidade, os prejuízos foram estimados em 35 bilhões de reais. Para se ter uma ideia, ao menos 10% das lojas na grande São Paulo não vão mais reabrir por falta de condições, além das consequentes quedas no faturamento.

Queda em vendas após reabertura de atividades não afetou apenas a capital paulista

De acordo com o levantamento da entidade, a queda em vendas foi significativa para a maioria dos lojistas do estado de São Paulo. 35% dos empreendedores em shoppings, especificamente em lojas fora da capital paulista, registraram prejuízo de até 80% no faturamento. Outros 29% dos lojistas informaram que a queda foi de 70%.

Em todo o estado de São Paulo, ao menos 180 shoppings são responsáveis por empregar milhares de pessoas. Isso sem considerar as contratações indiretas geradas pela atividade econômica dos empreendimentos.

Vendas online como alternativa

Como a queda nas vendas em lojas físicas estão caindo exponencialmente, há a necessidade de investir os esforços em outras alternativas. Uma delas diz respeito às vendas online, que movimentam até 10% do faturamento para 26,5% dos comerciantes ouvidos pela Alshop.

No entanto, essa prática não surte muito efeito para 41% dos lojistas ligados à associação representativa. Os empreendedores destacam que a modalidade de venda online não está trazendo retorno significativo.

Outra estratégia é a de fornecer descontos nos produtos comercializados. Esse recurso vem sendo empregado por 71% dos lojistas, mas o restante dos entrevistados afirma que não conseguem oferecer descontos no momento atual de adversidade.

Pedidos de seguro-desemprego aumentam em 35% na primeira quinzena de junho

Na última quinta-feira (25/06), o governo federal anunciou que 351.315 pessoas solicitaram o seguro-desemprego na primeira quinzena de junho. O número era de 260.228 em 2019.

Ao somar os registros desde o começo do ano, a conta fica ainda maior. Conforme a Secretaria de Trabalho do Ministério da Economia, 3.648.762 de trabalhadores formais perderam seus empregos entre os dias 02 de janeiro e 15 de junho de 2020.

Os estados mais populosos (São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro) tiveram o maior número de demissões. Por conseguinte, os homens representaram a maior parte de quem ficou sem emprego: cerca de 60% dos demitidos.

Leia mais:

Compartilhe

Comentários