Mercado melhora previsão do PIB brasileiro

Boletim Focus, divulgado pelo Banco Central, demonstra que expectativa do mercado para previsão do PIB brasileiro melhorou.

Mercado melhora previsão do PIB brasileiro, prédio do banco Central

Previsão foi divulgada pelo BC, por meio do Focus. - Foto: Agência Senado

De acordo com o Boletim Focus, produzido pelo Banco Central (BC), é esperado que o Produto Interno Bruto (PIB) do país caia 5,52%, contra 5,62% da semana anterior. Em outras palavras, o mercado melhorou a previsão do PIB brasileiro.

O PIB é a soma de tudo o que a economia produz ao longo de um período. Geralmente, as análises são feitas de forma anual, com parciais ao longo dos trimestres do ano. Se o PIB demonstra índices positivos, quer dizer que a economia está crescendo e o país está produzindo mais. Quando o índice é negativo, quer dizer que há uma recessão.

No caso, a recessão de 2020 tem como principal fator a pandemia provocada pelo novo coronavírus que fez com que muitos estabelecimentos comerciais e indústrias reduzissem seu funcionamento ou paralisassem por um tempo determinado. Algumas empresas não resistiram e fecharam as portas, aumentando o desemprego no país.

Outras previsões do Boletim Focus

Além da previsão do PIB, o Focus divulgou como se espera que outros índices estarão no final de 2020. Para o mercado, a Selic continuará em 2% (menor taxa da história), a inflação será de 1,63% e o Dólar estará na casa de R$ 5,20.

O Boletim Focus é divulgado todas as segundas-feiras às 8h30 com as expectativas do mercado. Para cada publicação, o BC coleta informações dos últimos 30 dias que antecedem a divulgação do relatório.

O Banco Central faz isso por meio do GERIN (Departamento de Relacionamento com Investidores e Estudos Especiais) que possui contato com economistas e investidores que fazem parte de instituições financeiras ou que de alguma forma estão ligados ao mercado.

Auxílio emergencial influenciou na diminuição da queda

Conforme uma pesquisa feita pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRRJ), o auxílio emergencial colaborou na diminuição da queda do PIB brasileiro. Com a liberação de todo o dinheiro prometido pelo governo federal para o benefício, montante de R$ 257,2 bilhões, o percentual pode chegar a até 3,8%.

Isso quer dizer que, apesar de não ser possível impedir uma queda no PIB, existem ferramentas que o governo pode utilizar para mitigar as perdas.

Carlos Rocha
Redator
Jornalista formado (UFG), atualmente redator no site Concursos no Brasil. Foi roteirista do Canal Fatos Desconhecidos (YouTube) por um ano e meio. Produziu conteúdo de podcast para o Deezer. Fez parte da Rádio Universitária (870AM) por três anos e meio como apresentador no Programa Fanático e como repórter, narrador e comentarista da Equipe Doutores da Bola. Fã de futebol, NFL e ouvinte de podcast.

Compartilhe

Especial Auxílio Emergencial

Veja mais »