Mesmo se for aprovado, é possível deixar de receber auxílio 2021; VEJA

Foi aprovado no auxílio emergencial 2021? Isso não quer dizer que você receberá todas as parcelas do benefício. Entenda mais detalhes sobre o assunto.

Aprovado pode deixar de receber auxílio emergencial 2021: montagem com logo do auxílio emergencial. Em destaque, texto: auxílio emergencial 2021

A nova rodada de pagamentos será limitada a apenas uma pessoa de cada unidade familiar. - Foto: Divulgação / Montagem Concursos no Brasil

As parcelas do auxílio emergencial 2021 foram aprovadas pelo governo brasileiro. Como não haverá abertura para novas inscrições, a Dataprev apenas analisará os cadastros antigos do programa. A lista de beneficiários ficará disponível pela página da estatal a partir do dia 1º de abril. Entretanto, as pessoas que forem aprovadas poderão deixar de receber o benefício ao passar do tempo. Isso porque o governo pretende revisar o cumprimento das regras a cada 30 dias.

Para que os cidadãos possam receber todas as quatro parcelas previstas, é necessário continuar atendendo aos requisitos mínimos. Veja os principais:

  • Não ter adquirido vínculo de emprego formal;
  • Não passar a receber recursos previdenciários, assistenciais, trabalhistas ou de programas federais, exceto abono salarial e Bolsa Família;
  • Não ter indicativo de óbito no Sistema Nacional de Informações de Registro Civil (SIRC) ou no Sistema de Controle de Óbitos (Sisobi);
  • Não ter o CPF vinculado, como instituidor, à concessão de pensão por morte de qualquer natureza;
  • Não estar preso em regime fechado;
  • Não ter o CPF vinculado, como instituidor, à concessão de auxílio-reclusão.

Auxílio emergencial 2021: como vai funcionar?

A nova rodada de pagamentos será limitada a apenas uma pessoa de cada unidade familiar. Conforme o Ministério da Cidadania, não haverá abertura de novas inscrições. O auxílio emergencial, em sua versão de 2021, apenas contemplará aqueles que receberam as parcelas do ano passado e continuam tendo direito ao benefício. Dessa maneira, a principal exigência continua a mesma: renda familiar total de até três salários mínimos e per capita de até meio salário mínimo.

O ministro da Economia, Paulo Guedes, informou que os valores dos pagamentos deverão variar conforme a composição familiar dos contemplados. Aqueles que moram sozinhos vão receber parcelas de R$ 150, enquanto as mães provedoras do lar terão direito às cotas de R$ 375. Já os demais beneficiários deverão contar com pagamentos médios de R$ 250.

O governo federal deverá organizar os repasses de maneira automática, com base nos cadastros antigos do programa. Veja, abaixo, os públicos que serão atendidos com o auxílio emergencial 2021:

  • 28.624.776 beneficiários não inscritos no CadÚnico e já cadastrados nas plataformas digitais da Caixa;
  • 6.301.073 integrantes do CadÚnico;
  • 10.697.777 atendidos pelo programa Bolsa Família;
  • Total: 45,6 milhões de famílias.
Bruno Destéfano
Redator
Nasceu no interior de Goiás e se mudou para a capital, Goiânia, no início de 2015. Seu objetivo era o de cursar Jornalismo na UFG. Desde o fim de sua graduação, já atuou como roteirista, gestor de mídias digitais, assessor de imprensa na Câmara Municipal de Goiânia, redator web, editor de textos e locutor de rádio. Escreveu dois livros, sendo um de ficção e outro de não-ficção. Também recebeu prêmios pela produção de um podcast sobre temas raciais e por seu livro-reportagem "Insurgência - Crônicas de Repressão". Atualmente, trabalha como redator web no site "Concursos no Brasil" e está participando de uma nova empresa no ramo de marketing digital.

Compartilhe

Especial Auxílio Emergencial

Veja mais »