Mourão fala sobre possível concurso público em órgãos ambientais

O vice-presidente Hamilton Mourão acredita que a solução para reestruturar os quadros de servidores dos órgãos ambientais é por meio de concurso público.

concurso público em órgãos ambientais: Hamilton Mourão usando uma máscara em palanque durante coletiva

"Só temos uma linha de ação, é solicitar uma abertura de concurso", Mourão. - Foto: TV Brasil

Em coletiva de imprensa, nesta quarta-feira (15), o vice-presidente Hamilton Mourão falou sobre a possibilidade da abertura de concurso público em órgãos ambientais. Segundo Mourão, a pauta está sendo discutida entre os ministros e tem por objetivo recuperar a força de trabalho dessas instituições de fiscalização ambiental. A fala foi dada durante a 2ª Reunião do Conselho Nacional da Amazônia Legal.

O vice-presidente citou alguns órgãos que estão defasados, como o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), Instituto Chico Mendes de Biodivesidade (ICMBio), Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) e Fundação Nacional do Índio (Funai). Segundo ele, existe uma possibilidade de criar uma exceção à proibição de concursos imposta até final de 2021.

“O Ministério do Meio Ambiente e os demais ministérios vão produzir um estudo a esse respeito, e é óbvio que só temos uma linha de ação, é solicitar uma abertura de concurso para que se possa contratar mais gente. Agora, isso tem que ser estudado junto com o Ministério da Economia”, afirmou Mourão.

Ele também falou sobre a proposta de segregação do orçamento de preservação à Amazônia e do orçamento para o Meio Ambiente em geral. Segundo o vice, a equipe econômica de Paulo Guedes irá estudar uma “forma de doações que possam ser colocadas dentro da área orçamentária sem um impacto maior”.

Outras pautas da coletiva

Durante a coletiva, a diretriz do governo contra a queima de maquinário usado em desmatamento e garimpo ilegais também foi pautada. Isso porque o presidente Jair Bolsonaro alterou o protocolo de fiscalização do Ibama, proibindo a destruição desses equipamentos. Dessa forma, em abril, diretores de órgãos que participaram de operações para queimar máquinas foram exonerados pelo ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles.

Agora, “a primeira providência é a apreensão desse equipamento e acontece quando não temos condição de retirar o equipamento. Não existe proibição de destruição de equipamento”, afirmou o vice-presidente. De acordo com Mourão, a ideia é doar as máquinas à prefeitura da cidade mais próxima.

Em sua fala, ele falou que há “compromisso firme do Estado Brasileiro, representado pelo Governo Bolsonaro, com a preservação da Amazônia e o desenvolvimento dessa área do país. Vamos buscar reduzir ao mínimo aceitável os níveis de desmatamento e queimado, demostrando com isso à comunidade internacional e à sociedade brasileira o nosso compromisso”.

Veja também:

Isadora Tristão
Redatora
Nascida na cidade de Goiânia e formada em Jornalismo pela Universidade Federal de Goiás, hoje, é redatora no site "Concursos no Brasil". Anteriormente, fez parte da criação de uma revista voltada para o público feminino, a Revista Trendy, onde trabalhou como repórter e gestora de mídias digitais por dois anos. Também já escreveu para os sites “Conhecimento Científico” e “KoreaIN”. Em 2018 publicou seu livro-reportagem intitulado “Césio 137: os tons de um acidente”, sobre o acidente radiológico que aconteceu na capital goiana no final da década de 1980.

Compartilhe

Comentários

Especial Auxílio Emergencial

Veja mais »