Mourão sobre recursos do Renda Cidadã: “não tem de onde tirar“

Vice-presidente demonstra ceticismo sobre a origem das verbas para o Renda Cidadã.

Mourão sobre recursos do Renda Cidadã: “não tem de onde tirar", Hamilton Mourão

Mourão falou sobre o Renda Cidadã. - Foto: Palácio do Planalto

Nesta semana, o vice-presidente Hamilton Mourão (PRTB) falou sobre a origem dos recursos do programa Renda Cidadã. Segundo Mourão, “não tem de onde tirar” o dinheiro para financiar o programa que ficará no lugar do Bolsa Família.

O Renda Cidadã vem sofrendo críticas após o anúncio de que os recursos do programa seriam provenientes de parte do dinheiro que seria utilizado para o Fundeb (Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação) e de precatórios.

Recentemente, o ministro da Economia, Paulo Guedes, negou que o Renda Cidadã utilizaria recursos dos precatórios, em uma clara resposta ao mercado financeiro. O anúncio do programa de renda e a origem do dinheiro fizeram com que a bolsa de valores de São Paulo fechasse em queda devido à desconfiança dos investidores.

Mourão reafirmou a fala de Paulo Guedes e confirmou que os precatórios continuarão a ser pagos normalmente. Ele aproveitou para acrescentar que o Fundeb também não será utilizado como fonte de verbas. "Esse assunto já virou a página, já acabou", comentou o vice de Bolsonaro.

Por fim, após negar que os recursos viriam do Fundeb e dos precatórios, o vice-presidente foi questionado sobre a origem do dinheiro. Mourão surpreendeu ao responder que não se sabe ainda a origem dos recursos. “Não tem de onde tirar, essa é a realidade", afirmou.

Agora, a expectativa é de que o governo volte a olhar para o orçamento do ano que vem e procure por alguma solução para conseguir verbas para o programa. Já existem líderes de partidos que estão pedindo para que as discussões sobre o tema só voltem após as eleições municipais.

Sobre o Renda Cidadã

O governo pretende fazer com que o Renda Cidadã seja o substituto do Bolsa Família. O programa de transferência de renda, inicialmente, teria recursos do Fundeb e de precatórios. Depois da recepção negativa, a ideia vem sendo deixada de lado.

O novo programa veio após o presidente Jair Bolsonaro cancelar o Renda Brasil. Assim, ele autorizou que o senador Márcio Bittar (MDB-AC) começasse a desenvolver o Renda Cidadã. Bittar chegou a dizer que os valores ficariam entre R$ 200 e R$ 300 e que a quantia iria depender do espaço no orçamento de 2021. O governo afirma que não irá descumprir o teto de gastos.

Carlos Rocha
Redator
Jornalista formado (UFG), atualmente redator no site Concursos no Brasil. Foi roteirista do Canal Fatos Desconhecidos (YouTube) por um ano e meio. Produziu conteúdo de podcast para o Deezer. Fez parte da Rádio Universitária (870AM) por três anos e meio como apresentador no Programa Fanático e como repórter, narrador e comentarista da Equipe Doutores da Bola. Fã de futebol, NFL e ouvinte de podcast.

Compartilhe

Comentários