Não é necessário atualizar Caixa Tem para receber auxílio emergencial

A Dataprev está responsável por analisar a lista de beneficiários do auxílio emergencial 2021. Atualização do Caixa Tem não é condição para receber as parcelas.

A Caixa Econômica Federal (CEF) recomendou que os usuários atualizem os seus cadastros por meio do aplicativo Caixa Tem. No entanto, o procedimento não é obrigatório para receber os pagamentos do auxílio emergencial de 2021. A instituição bancária informou que as atualizações cadastrais visam garantir mais segurança no acesso às contas.

"A atualização não é obrigatória. É um convite da Caixa. A instituição bancária está chamando os clientes para fazerem a atualização e terem acesso a mais serviços e mais segurança na movimentação da conta, mais proteção contra fraude", afirmou a assessoria da Caixa em entrevista para o Concursos no Brasil.

Ao todo, as parcelas do auxílio emergencial 2021 serão transferidas para 45,6 milhões de famílias que receberam os pagamentos do ano passado. Esse quantitativo é inferior se comparado com o número de unidades familiares atendidas no ano passado: 68 milhões. A ideia é de filtrar os cadastros antigos do programa, com base nos critérios exigidos pela medida provisória de nº 1.039.

O auxílio emergencial 2021 será limitado a uma pessoa por família, sem quaisquer possibilidades de acúmulo. Para receber as novas parcelas, é necessário ter renda per capita de até meio salário mínimo e total de até três salários mínimos. O ministro Paulo Guedes, explicou que os valores dos repasses serão variáveis. Assim, as mulheres chefes de família vão receber cotas de R$ 375, enquanto os que moram sozinhos terão direito a R$ 150. Os demais vão contar com parcelas médias de R$ 250.

O que muda com a atualização cadastral?

As atualizações cadastrais podem ser feitas diretamente pelo celular. Após concluir o procedimento, os correntistas terão acesso às funcionalidades de poupanças tradicionais, sem limites de movimentações e saldos. As contas, assim, vão passar a ser mais completas.

"[Com a atualização cadastral] não terá limite de movimentação nem nada disso. O cliente tem essa possibilidade de movimentação, se ele quiser ter acesso a uma conta digital da Caixa. Às vezes ele tem uma outra e não quer mais uma. [O procedimento] não é obrigatório. Não é uma condição pra receber o auxílio emergencial 2021, mas é um convite que a Caixa está fazendo. É um melhoramento na poupança social digital", explicou o banco. 

Com a atualização cadastral pelo Caixa Tem, os usuários terão acesso aos seguintes serviços gratuitos:

  1. Realização de até dois saques por mês, em terminal de autoatendimento e unidades lotéricas;
  2. Realização de até três transferências por mês para outros bancos;
  3. Realização ilimitada de transferências para contas da Caixa;
  4. Fornecimento de até dois extratos por mês, contendo a movimentação dos últimos 30 dias;
  5. Realização de consultas por meio digital, site ou aplicativos disponibilizados pela Caixa.

Vale ressaltar que as movimentações que ultrapassarem esses serviços básicos serão cobradas, tendo em vista a tabela vigente de tarifas. Em termos gerais, com a atualização cadastral, os usuários vão passar a ter poupanças digitais em vez de poupanças sociais digitais.

"O cliente que ultrapassa esses limites gratuitos de serviços será cobrado conforme qualquer outro cliente, pela tabela de tarifas da Caixa. Nada de diferente", esclareceu o banco. A política de termos e de privacidade está disponível no próprio sistema do aplicativo Caixa Tem.

Como atualizar seu cadastro pelo Caixa Tem

  • Entre no aplicativo pelo seu celular (Android e iOS);
  • Toque na opção "Atualize Seu Cadastro";
  • Clique em "próximo" e, depois, leia os termos e condições sobre a política de privacidade;
  • Toque em "li e concordo" e, logo após, na opção "quero ser Cliente Top";
  • Complemente e confirme as informações do seu cadastro pelo Caixa Tem. Caso exista algum dado antigo ou incorreto, corrija-o;
  • Em seguida, informe os dados de renda e patrimônio;
  • Envie a documentação solicitada (foto de documento pessoal e foto do beneficiário segurando o próprio documento de identidade);
  • Finalize a atualização e aguarde a análise.

"É uma atualização cadastral. Essa questão do 'Cliente Top' é mais uma nomenclatura, mas na prática o que acontece é isto: hoje, o cliente tem uma poupança social digital, que foi a utilizada para pagar FGTS e auxílio. Então, essa conta, até pela característica dela, tinha um limite de movimentação. O cliente que faz a atualização cadastral pode movimentar um valor bem maior, os limites de movimentação são excluídos, o cliente tem uma segurança maior. Então, esses são os benefícios para quem opta por atualizar", explicou a assessoria da Caixa.

Lembrando que, com a atualização cadastral, todas as principais características das contas serão mantidas. Ou seja, continuará sendo possível gerar um cartão virtual de débito para movimentar o dinheiro. Todas as transações, além disso, poderão ser feitas pelo aplicativo Caixa Tem.

Ainda está com dúvidas a respeito do procedimento de atualização cadastral? A instituição bancária publicou um vídeo com o passo a passo. Veja abaixo:

Calendário de atualização no Caixa Tem

A atualização cadastral está sendo liberada de maneira escalonada, com base no mês de aniversário dos correntistas. Veja o calendário completo:

Mês de nascimentoData para atualização no Caixa Tem
Janeiro14 de março
Fevereiro16 de março
Março18 de março
Abril20 de março
Maio22 de março 
Junho23 de março
Julho24 de março
Agosto25 de março
Setembro26 de março
Outubro29 de março
Novembro30 de março
Dezembro31 de março

Quem vai receber as parcelas do auxílio emergencial 2021?

Na primeira etapa, o governo brasileiro deverá organizar, de maneira automática, os pagamentos do auxílio emergencial 2021. A análise será feita com base nos cadastros antigos do programa. Terá prioridade: beneficiários não inscritos no CadÚnico e já cadastrados em plataformas digitais da Caixa; integrantes do CadÚnico; e atendidos pelo Bolsa Família.

Confira, abaixo, os requisitos mínimos para receber o auxílio emergencial de 2021:

  • Não tenha vínculo de emprego formal ativo;
  • Não esteja recebendo outros benefícios do governo federal (exceto abono salarial e Bolsa Família);
  • Tenha movimentado os valores relativos ao auxílio emergencial;
  • Tenha, atualmente, renda familiar mensal por pessoa abaixo de meio salário mínimo (R$ 550);
  • Tenha, atualmente, renda familiar mensal total abaixo de três salários mínimos (R$ 3.300);
  • Não mora fora do Brasil;
  • Não tenha recebido rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70 em 2019;
  • Não tinha a posse ou a propriedade de bens ou direitos, inclusive a terra nua, de valor total superior a R$ 300.000,00 em 31 de dezembro de 2019;
  • Não recebeu rendimentos isentos, não tributáveis ou tributados exclusivamente na fonte, que somem quantia superior a R$ 40 mil (no ano de 2019);
  • Não tenha sido declarado, no ano de 2019, como dependente na condição de: cônjuge; companheiro com o qual o contribuinte tenha filho ou com o qual conviva há mais de cinco anos; filho/enteado com menos de 21 anos; ou filho/enteado com menos de 24 anos que esteja matriculado em instituição de nível médio/técnico ou superior;
  • Não esteja preso em regime fechado;
  • Não tenha seu CPF vinculado, como instituidor, à concessão de auxílio-reclusão;
  • Não tenha menos de 18 anos de idade (exceto no caso de mães adolescentes);
  • Não possua indicativo de óbito;
  • Não tenha seu CPF vinculado, como instituidor, à concessão de pensão por morte de qualquer natureza;
  • Não esteja com o auxílio emergencial (ou residual) de 2020 cancelado no momento da avaliação para as novas parcelas;
  • Não seja estagiário, residente médico ou residente multiprofissional;
  • Não seja beneficiário de bolsa de estudo da Capes, do CNPq ou similares.

Compartilhe

Especial Concurso BB

Veja mais »