“Não sou eu quem decide”, diz Guedes sobre valor do NOVO auxílio

Valor do novo auxílio emergencial em 2021 já estão sendo estudado pela equipe do governo. Guedes disse que os detalhes vão ser definidos por “todo mundo”.

Valor do novo auxílio emergencial em 2021: Paulo Guedes em pronunciamento

Paulo Guedes afirmou que a prorrogação do auxílio emergencial ainda é um tema “difícil”. - Foto: Palácio do Planalto

Na última segunda-feira (08/02), Paulo Guedes comentou sobre o valor do novo auxílio emergencial em 2021. O ministro da Economia disse que não é ele quem define as quantias das próximas parcelas. Durante pronunciamento sobre o projeto de autonomia do Banco Central, Guedes explicou que os detalhes deverão ser elaborados em conjunto.

"Não sou eu (quem decide sobre o valor do novo auxílio emergencial). Isso é todo mundo junto", afirmou. Vale lembrar que o presidente Jair Bolsonaro já admitiu a possibilidade de aprovar um novo auxílio no início de 2021. No entanto, o chefe do Executivo destacou o risco ocasionados com a prorrogação do programa, que já custou cerca de R$ 300 bilhões no ano passado.

Novo valor do auxílio emergencial em 2021 e impactos fiscais

O ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a prorrogação do auxílio emergencial ainda é um tema “difícil”. Isso porque as novas parcelas poderão comprometer regra do teto de gastos públicos. De acordo com suas próprias palavras, o governo está estudando meios de aprovar o programa sem afetar os cofres públicos.

"Estamos conversando, tem que ter o compromisso com a responsabilidade fiscal", disse Guedes na última segunda-feira (8/2) durante visita à Câmara dos Deputados. Para amenizar os impactos que poderão ser ocasionados pelo novo auxílio emergencial, a equipe do governo pretende atribuir um novo valor para o auxílio emergencial de 2021 (parcelas de R$ 200).

Perspectivas para o novo auxílio emergencial

Conforme apurações da CNN, o novo auxílio emergencial em 2021 poderá se chamar “BIP” (Bônus de Inclusão Produtiva). O programa será elaborado com base em regras ainda mais rígidas, com a possibilidade de retirar os inscritos no Bolsa Família da lista de beneficiários.

Ao que tudo indica, o governo quer focar apenas nos brasileiros que sejam trabalhadores informais. Além disso, os beneficiários do novo auxílio emergencial vão ter que passar por programas gratuitos de qualificações profissionais. O propósito será de preparar os trabalhadores para o mercado.

Bruno Destéfano
Redator
Nasceu no interior de Goiás e se mudou para a capital, Goiânia, no início de 2015. Seu objetivo era o de cursar Jornalismo na UFG. Desde o fim de sua graduação, já atuou como roteirista, gestor de mídias digitais, assessor de imprensa na Câmara Municipal de Goiânia, redator web, editor de textos e locutor de rádio. Escreveu dois livros, sendo um de ficção e outro de não-ficção. Também recebeu prêmios pela produção de um podcast sobre temas raciais e por seu livro-reportagem "Insurgência - Crônicas de Repressão". Atualmente, trabalha como redator web no site "Concursos no Brasil" e está participando de uma nova empresa no ramo de marketing digital.

Compartilhe

Especial Auxílio Emergencial

Veja mais »