Para Maia, salários de servidores devem ser congelados por dois anos

Durante videoconferência, o presidente da Câmara afirmou que dependendo da proposta do governo, salários de servidores devem ser congelados por dois anos.

salários de servidores devem ser congelados por dois anos, Rodrigo Maia

Rodrigo Maia afirma que congelamentos podem ocorrer. - Foto: Assembleia Legislativa do Espírito Santo

O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM - RJ), disse, durante uma videoconferência de debate sobre a COVID-19, que acredita que os salários de servidores devem ser congelados por dois anos caso o governo encaminhe uma proposta sobre o assunto para o Legislativo.

Esta seria uma das medidas para auxiliar no equilíbrio fiscal que será necessário ser imposto ao país devido à crise econômica gerada pela pandemia do novo coronavírus. Recentemente, o FMI previu uma queda de mais de 5% do PIB do país, uma das maiores de toda a história do Brasil.

Segundo Maia, a proposta precisa levar em conta os Três Poderes (Executivo, Judiciário e Legislativo) como se fossem um pacote completo. Entretanto, ele também afirmou que apesar de necessária, no momento a discussão sobre cortes nos salários seria uma espécie de demagogia e que haverá um outro momento para se abordar o tema.

Para a Agência Câmara de Notícias, ele afirmou que: “se o governo encaminhar a proposta, é óbvio que vamos votar, mas precisa ser combinado. Se o governo apresentar o congelamento [de salários por dois anos], a minha posição vai ser de convergência, mas é preciso que o Executivo encaminhe a proposta para trabalhar junto às bancadas”.

Veja também:

Retomada da economia

Outro ponto abordado foi justamente a crise econômica e a esperada reabertura do comércio. Sobre o assunto, Maia comentou que não cabe ao Legislativo o papel de abrir ou fechar estabelecimentos.

Em seguida, ele aproveitou o espaço para voltar a defender a política de isolamento social que vem sendo recomendada pelo Ministério da Saúde e pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e seguida pela maior parte dos governadores e prefeitos do país. 

“Essa angústia é a de todos nós e do setor produtivo também e nos pressiona para uma decisão que parecer ser mais fácil, mas se fizer errado, o caos vai ser muito maior. Muitos estados estão abrindo leitos, mas, como a velocidade do vírus é muito grande, a possibilidade do colapso é muito grande. Não cabe ao Congresso decidir sobe o isolamento ou não, cabe é respeitar a OMS e o Ministério da Saúde”, disse Maia à Agência Câmara de Notícias.

Por fim, ele afirmou que é preciso uma união entre os Três Poderes e a sociedade para que haja um diálogo construtivo e que colabore para solucionar a crise.

Carlos Rocha
Redator
Jornalista formado (UFG), atualmente redator no site Concursos no Brasil. Foi roteirista do Canal Fatos Desconhecidos (YouTube) por um ano e meio. Produziu conteúdo de podcast para o Deezer. Fez parte da Rádio Universitária (870AM) por três anos e meio como apresentador no Programa Fanático e como repórter, narrador e comentarista da Equipe Doutores da Bola. Fã de futebol, NFL e ouvinte de podcast.

Compartilhe

Especial Auxílio Emergencial

Veja mais »