Pesquisa do governo: estatais pagam salários em torno de R$ 31 mil

Os dados foram levantados pelo Ministério da Economia, constatando que a média de remuneração em empresas estatais é muito maior que a média salarial geral.

O Ministério da Economia fez um levantamento acerca dos salários dos servidores públicos e descobriu que estatais pagam remunerações de até R$ 31,3 mil. As diretorias executivas, por sua vez, chegam a somar R$ 2,9 milhões em vencimentos anuais. O Relatório Agregado das Empresas Estatais Federais conta com dados de 46 companhias controladas pela União. As informações contábeis reunidas na pesquisa vão de gastos com pessoal até reajuste salarial.

Segundo os dados colhidos, as diretorias executivas, o governo precisou colocar R$ 17 bilhões em 18 destas estatais só no ano passado (2019), sendo todas elas dependentes do Tesouro Nacional. O relatório acerca dos salários é o primeiro deste tipo feito pela administração pública. 

“Isso é um legado. Esse tipo de material, somado a esforço de avaliação profunda das 46 estatais, é uma transformação na maneira como se gere essas empresas”, afirmou ao Estadão/Broadcast o secretário especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados do Ministério da Economia, Diogo Mac Cord de Faria.

Setor público paga mais que o privado

O levantamento do Ministério da Economia foi divulgado no último dia 26 de novembro de 2020 e chama bastante atenção para os salários pagos. Entre as remunerações médias recebida por servidores estatais, a mais alta é de R$ 31,3 mil por mês. Esse valor é pago aos funcionários da PPSA, empresa que gerencia os contratos de partilha provenientes de leilões do pré-sal.

Por meio dos dados colhidos é possível ver a discrepância em relação à renda média dos brasileiros, que em 2019 ficou abaixo de R$ 2,5 mil. Isso considerando tanto setor público como privado. Atualmente, a estatal tem 57 funcionários e está na lista de privatizações de Paulo Guedes. 

Em auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU), já havia sido constatada que 86% dos cargos em estatais recebiam salário maior que aquele pago a funções semelhantes do setor privado. O estudo analisou 376 ocupações em 104 companhias que não dependiam do Tesouro, como Banco do Brasil, Correios e Petrobrás.

O levantamento mostrou que 43% dos salários nas empresas estatais costumam ser maiores que o dobro recebido por funções semelhantes em instituições privadas.

Mais números contemplados na pesquisa

Agora, na nova pesquisa do governo, foi constatado que Na Petrobrás, em 2019:

  • Membros da diretoria receberam cerca de R$ 2,9 milhões;
  • Integrantes dos conselhos de administração contaram com R$ 194,3 mil; e
  • Membros do conselho fiscal ganharam R$ 132,4 mil.

Já no Banco do Brasil, o presidente da instituição e a diretoria executiva tiveram remunerações próximas a R$ 1,6 milhão. O relatório do Ministério da Economia mostrou ainda que a Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) tem o terceiro salário médio mais alto. O valor pago aos servidores é em torno de R$ 20 mil, fazendo com que a instituição perca apenas para o BNDS que para R$ 29 mil.

No entanto, é importante ressaltar que a Codevasf depende do Tesouro Nacional para custear suas despesas com os 1,5 mil funcionários. A empresa trabalha com obras e projetos de agricultura irrigada, oferta de água e revitalização de bacias hidrográficas na região Nordeste. Nos últimos cinco anos utilizou de R$ 2,7 bilhões do governo e, por isso, está na lista das desestatizações.

Compartilhe

Especial Concurso BB

Veja mais »