Projeto de compra de vacinas por empresas privadas será engavetado

Presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, deverá engavetar o projeto que permitia que empresas privadas comprassem vacinas para seus funcionários.

Projeto de compra de vacinas por empresas privadas será engavetado, vacina

Entenda os motivos do projeto ser deixado de lado. - Foto: Pixabay

De acordo com o jornal Folha de S. Paulo, o projeto de compra de vacinas contra COVID-19 por empresas privadas deve ser engavetado pelo presidente do Senado Rodrigo Pacheco (DEM - MG).

A lei havia passado pela Câmara dos Deputados, mas é provável que nem seja colocada em discussão entre os senadores.

O texto-base da compra de vacinas é considerado um substitutivo, fazendo alterações no Projeto de Lei 948/21, que originalmente, só permitia que os imunizantes fossem obtidos por meio do governo.

Como seria o projeto de compra de vacina privada

O projeto de compra de vacinas por empresas privadas ficou conhecido como "fura-fila" e também é chamado de “camarote da vacina” por quem é contra.

Nele, o governo federal liberaria que a iniciativa privada adquirisse imunizantes para clínicas particulares para seus funcionários. Até o momento, as vacinas estão sendo disponibilizadas gratuitamente pelo Ministério da Saúde.

A justificativa seria a de que a compra de vacinas privadas aceleraria a vacinação e desafogaria o Ministério da Saúde. Além disso, os imunizantes gratuitos continuariam sendo distribuídos normalmente pelo governo.

Farmacêuticas descartam vendas para iniciativa privada

Empresas farmacêuticas já descartaram vender doses para iniciativa privada. Entres as empresas estão a Pfizer e a AstraZeneca. Segundo elas, os lotes de imunizantes serão vendidos apenas para governos, como vem ocorrendo em todo o planeta.

Cientistas e repercussão pública não foram favoráveis

Cientistas já se manifestaram contra a compra de vacinas por empresas privadas. Segundo eles, a compra poderia afetar o Plano Nacional de Imunização (PNI), principalmente em pessoas que possuem algum tipo de comorbidade e que são mais propensas em desenvolver complicações da COVID-19.

Há também uma preocupação com a reação de parte da população, contrária ao denominado “camarote da vacina”. Diversos movimentos sociais fizeram pressão em parlamentares para que o projeto fosse barrado.

Além da repercussão negativa sobre a questão de furar ou não a fila, Rodrigo Pacheco teria dúvida sobre a disponibilidade de vacinas contra COVID-19, pois a maior parte dos países estão sofrendo com a escassez de imunizantes.

Pela somatória de fatores, a tendência é de que o projeto realmente seja deixado de lado.

Carlos Rocha
Redator
Jornalista formado (UFG), atualmente redator no site Concursos no Brasil. Foi roteirista do Canal Fatos Desconhecidos (YouTube) por um ano e meio. Produziu conteúdo de podcast para o Deezer. Fez parte da Rádio Universitária (870AM) por três anos e meio como apresentador no Programa Fanático e como repórter, narrador e comentarista da Equipe Doutores da Bola. Fã de futebol, NFL e ouvinte de podcast.

Compartilhe

Comentários

Especial Auxílio Emergencial

Veja mais »