Proposta de privatização dos correios será enviada ainda em 2020

De acordo com o ministro das Comunicações, Fábio Faria, governo enviará ao Congresso a proposta de venda da estatal em 2020.

Proposta de privatização dos correios será enviada ainda em 2020, sede dos Correios

Privatização dos Correios deve estar no Congresso em 2020. - Foto: Agência Senado

Em uma entrevista à Agência Bloomberg, o ministro das Comunicações, Fábio Faria, afirmou que a proposta de privatização dos Correios será enviada ainda em 2020 ao Congresso Nacional. Segundo ele, o governo irá fazer “o seu dever de casa” e projeto deverá ser finalizado nas próximas semanas.

"Podíamos fazer uma PEC ou um projeto de lei, mas optamos pelo projeto de lei que deve ser finalizado no Ministério das Comunicações nos próximos 15 dias e enviado ao Palácio do Planalto para ajustes. Até o fim do ano, o Executivo terá feito e entregue o seu dever de casa e o projeto estará no Congresso para ser aprimorado pelos deputados e senadores", disse o ministro à Bloomberg.

Empresas já estariam de olho nos Correios

Recentemente, durante uma live, o ministro das Comunicações disse que a privatização dos Correios poderia render cerca de R$ 15 bilhões aos cofres públicos. Além disso, afirmou que existem cinco interessados na compra da estatal, entre eles Magazine Luiza, DHL e FedEx. A Amazon, gigante do setor de e-commerce, também estaria interessada.

Apesar da fala do ministro e de especulações no mercado, as empresas optaram por não declararem oficialmente o interesse pelos Correios. A DHL chegou a emitir um comunicado oficial informando que por enquanto não tem planos para serviços postais no Brasil.

Greve nos Correios

Além do turbilhão relacionado à privatização, os Correios passaram recentemente por uma greve que durou 35 dias. Os funcionários retomaram o trabalho nesta terça-feira (22/09), após a Fentect (Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares) ter se reunido com os sindicatos filiados.

Na reunião, foi estabelecido que os funcionários iriam voltar a trabalhar após o Tribunal Superior do Trabalho (TST) ter aprovado um reajuste de 2,6% para a categoria. O reajuste foi uma forma encontrada pelo TST para compensar os cortes de benefícios feitos pela estatal.

Por qual motivo houve a greve?

A greve dos Correios começou após a estatal ter decidido que não iria cumprir cláusulas de um acordo coletivo que foi feito com os funcionários e que foi proposto pela própria empresa. Entre as cláusulas estavam pontos que os empregados dos Correios consideram como direitos e que por isso, não aceitam que sejam retiradas.

Por outro lado, a estatal justificou que os custos com o quadro de funcionários estavam muito elevados e que cortes deveriam ser feitos. A pandemia provocada pelo novo coronavírus teria ajudado a acelerar o processo.

Carlos Rocha
Redator
Jornalista formado (UFG), atualmente redator no site Concursos no Brasil. Foi roteirista do Canal Fatos Desconhecidos (YouTube) por um ano e meio. Produziu conteúdo de podcast para o Deezer. Fez parte da Rádio Universitária (870AM) por três anos e meio como apresentador no Programa Fanático e como repórter, narrador e comentarista da Equipe Doutores da Bola. Fã de futebol, NFL e ouvinte de podcast.

Compartilhe

Especial Auxílio Emergencial

Veja mais »