Senadores querem ampliar auxílio emergencial

Senadores querem ampliar auxílio emergencial para que benefício exista após a pandemia. Verbas viriam de taxação aos mais ricos.

Senadores querem ampliar auxílio emergencial, plenário do Senado

Ampliação do benefício vem sendo discutida entre senadores. - Foto: Agência Senado

Apesar de ter passado por alguns problemas de implementação, o auxílio emergencial se tornou um sucesso e ajudou milhões de pessoas durante a pandemia. Com isso, há uma grande pressão para que o benefício seja estendido. Nesse segmento, muitos senadores querem ampliar o auxílio emergencial e já procuram novas formas para obterem verbas.

Alguns parlamentares começam a ver na taxação de grandes fortunas, a solução para que o benefício seja mantido e dependendo do caso, até ampliado mesmo após a pandemia. A senadora Eliziane Gama (Cidadania-MA) faz parte do grupo que acredita que a taxação poderá ser benéfica e que deve haver algum tipo de benefício depois da pandemia.

O seu projeto estipula que famílias vulneráveis e com filhos teriam uma renda mensal de R$ 800,00 até que a criança completasse sete anos. No caso, o valor integral seria pago até os três anos de idade e seria reduzido com o passar do tempo.

Na proposta, a senadora apresenta três origens para as verbas: Imposto sobre Grandes Fortunas (IGF), para quem tem mais de R$ 20 milhões de patrimônio líquido, alterações no Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e autorização para elevação do Imposto sobre Transmissão Causa Mortis e Doação (ITCMD), que tributa heranças.

Vale lembrar que a taxação de fortunas não é um tema novo no Congresso. No entanto, desde a apresentação da primeira parte da reforma tributária entregue pelo ministro da Economia Paulo Guedes, o assunto passou a ganhar mais destaque.

No momento, a ideia é deixar que o governo apresente sua proposta de prorrogação do auxílio emergencial e então, os senadores complementarem com a forma de taxação. Além de interesse do Senado, o benefício é visto como prioridade pelo Executivo e por isso, se espera que nesta semana, o governo encaminhe uma proposta de extensão do auxílio emergencial.

Bolsonaro confirmou que haverá prorrogação

Na sexta-feira (21/08), o presidente Jair Bolsonaro afirmou que o benefício deverá ser estendido até dezembro de 2020. Apesar do anúncio do presidente, não houve qualquer confirmação de valores das próximas parcelas.

A tendência é que o valor das parcelas seja reduzido, pois o governo não teria como arcar com o montante. Conforme a fala do presidente, provavelmente haverá uma redução se houver prorrogação. "O auxílio emergencial foi bem-vindo, mas ele custa R$ 50 bilhões de reais e infelizmente não pode ser definitivo. Mas vamos continuar com ele, mesmo com valores diferentes, até que a economia possa pegar em nosso país", comentou.

Carlos Rocha
Redator
Jornalista formado (UFG), atualmente redator no site Concursos no Brasil. Foi roteirista do Canal Fatos Desconhecidos (YouTube) por um ano e meio. Produziu conteúdo de podcast para o Deezer. Fez parte da Rádio Universitária (870AM) por três anos e meio como apresentador no Programa Fanático e como repórter, narrador e comentarista da Equipe Doutores da Bola. Fã de futebol, NFL e ouvinte de podcast.

Compartilhe

Especial Auxílio Emergencial

Veja mais »