Desenhista

Prepare-se com questões de Desenhista

01

(ACAPLAM - 2011 - Prefeitura de Limoeiro/PE - Desenhista) - Qual a relação entre os volumes de um cone e de um cilindro de diametros de base iguais a 10 cm e alturas iguais a 5 cm?

  1. a
  2. b
  3. c
  4. d
  5. e
Código da questão
Q40951Ca
02

(CONRIO - 2015 - Prefeitura de Biritiba Mirim/SP - Desenhista) - Em “O trabalho dignifica o homem.”, temos:

  1. a
  2. b
  3. c
  4. d
  5. e
Código da questão
Q11681Ca
03

(FEPESE - 2019 - Prefeitura de Fraiburgo - SC - Desenhista Técnico) - ​Te x t o 1

É sabido que o oeste catarinense e o sudoeste do Paraná começaram a ser ocupados, no início do século XIX, através da pecuária, em suas regiões de campo, pela criação extensiva em grandes propriedades. O resultante desse processo foi a rarefação da população em grandes espaços. Somente a partir de meados do século passado é que as áreas de florestas, que antes tinham permanecido praticamente intactas, passaram a ser ocupadas através do excedente populacional dos campos de criação de gado ou dos imigrantes provindos de outras partes do território nacional. Esse processo acabou constituindo a população cabocla com uma cultura e um modus vivendi próprios, e com a qual os imigrantes rio-grandenses iriam se defrontar.
As migrações visavam a ocupar o “espaço vazio” do oeste catarinense, dentro do projeto capitalista do governo, já que essa região era vista como perigosa e inóspita, um verdadeiro deserto a ser povoado para nele se produzir. As companhias colonizadoras, então, começaram a fazer investimentos e vender as glebas das áreas de florestas.
Nesse ínterim, entre os descendentes de imigrantes italianos do Rio Grande do Sul (Serra Gaúcha e regiões circunvizinhas), estava ocorrendo um fato conjuntural que veio ao encontro do interesse pela colonização do oeste catarinense. A estrutura fundiária das regiões de imigração rio-grandenses era baseada em peque-nos lotes de terra. Essas pequenas propriedades não podiam mais ser desmembradas porque tornar-se--iam inviáveis economicamente. Daí o deserdamento sistemático e necessário, forçando os colonos e seus descendentes a novas migrações para novas colônias, onde se reproduziu o modelo fundiário anterior.
ZAMBIASI, José Luiz. Lembranças de velhos. Chapecó: Universitária Grifos, 2000, p. 28-29. [Fragmento adaptado].
Sobre o texto 1, é correto o que se afirma em:

  1. a
  2. b
  3. c
  4. d
  5. e
Código da questão
Q55302Ca
04

(ACAPLAM - 2011 - Prefeitura de Limoeiro/PE - Desenhista) - Sobre a projeção UTM (Universal Transverse Mercator), assinale a alternativa INCORRETA:

  1. a
  2. b
  3. c
  4. d
  5. e
Código da questão
Q40933Ca
05

(PRÓ-MUNICÍPIO - 2013 - Prefeitura de Iguatu/CE - Desenhista) - É o método de desenhar objetos tridimensionais em duas dimensões, a partir de aspectos correlatos chamados plantas, elevações e cortes:

  1. a
  2. b
  3. c
  4. d
  5. e
Código da questão
Q33952Ca
06

(CONRIO - 2015 - Prefeitura de Biritiba Mirim/SP - Desenhista) - Considerando os tamanhos dos papéis da série A, assinale a alternativa abaixo que corresponde com a quantidade de papeis A3 que somados formam o papel A1:

  1. a
  2. b
  3. c
  4. d
  5. e
Código da questão
Q11691Ca
07

(CONRIO - 2015 - Prefeitura de Biritiba Mirim/SP - Desenhista) - De acordo com a NBR-6492/1994, para Projetos Arquitetônicos os níveis devem ser representados em:

  1. a
  2. b
  3. c
  4. d
  5. e
Código da questão
Q11694Ca
08

(AOCP - 2015 - FUNDASUS - Desenhista) - Projetistas e desenhistas técnicos costumam empregar diferentes escalas, variando-as conforme o que se está representando. Para desenho de loteamentos urbanos e de municípios, são adequadas as seguintes escalas, respectivamente:

  1. a
  2. b
  3. c
  4. d
  5. e
Código da questão
Q33930Ca
09

(OBJETIVA - 2016 - Prefeitura de Senador Salgado Filho/RS - Desenhista) - Observando-se a Lei Municipal nº 4.955/13, numerar a 2ª coluna de acordo com a 1ª e, após, assinalar a alternativa que apresenta a sequência CORRETA:

(1) Área principal.
(2) Área secundária.
(3) Área útil.
(4) Área condominial.

( ) Área através da qual se verifica a iluminação e a ventilação de compartimentos de permanência prolongada.

( ) Área ou superfície utilizável de uma edificação.

( ) Área do terreno e da edificação de uso comum.

( ) Área através da qual se verifica a iluminação e a ventilação de compartimentos de utilização transitória.

  1. a
  2. b
  3. c
  4. d
Código da questão
Q30948Ca
10

(OBJETIVA - 2016 - Prefeitura de Senador Salgado Filho/RS - Desenhista) - É um exemplo de hardware:

  1. a
  2. b
  3. c
  4. d
Código da questão
Q30945Ca