Português – Nível Médio

Prepare-se com questões de Português

01

(FUNRIO - 2009 - FURP/SP - Auxiliar de almoxarifado) - Assinale a alternativa em que se emprega adequadamente as palavras mas, mais ou más nas frases a seguir

  1. a
  2. b
  3. c
  4. d
  5. e
Código da questão
Q47200Ca
02

(Enem-2019) - Educação para a saúde mediante programas de educação física escolar

A educação para a saúde deverá ser alcançada mediante interação de ações que possam envolver o próprio homem mediante suas atitudes frente às exigências ambientais representadas pelos hábitos alimentares, estado de estresse, opções de lazer, atividade física, agressões climáticas etc. Dessa forma, parece evidente que o estado de ser saudável não é algo estático. Pelo contrário, torna-se necessário adquiri-lo e construí-lo de forma individualizada constantemente ao longo de toda a vida, apontando para o fato de que saúde é educável e, portanto, deve ser tratada não apenas com base em referenciais de natureza biológica e higienista, mas sobretudo em um contexto didático-pedagógico.

A educação para a saúde pressupõe a adoção de comportamentos com base na interação de fatores relacionados à

  1. a
  2. b
  3. c
  4. d
  5. e
Código da questão
Q61377Ca
03

( VUNESP - Agente Comunitário de Saúde (Pref SJRP)/2014) - Leia o texto para responder questão.

Como um ácido que corrói

Em muitas empresas, há um grupo de profissionais da maledicência e da fofoca, especialistas em distorcer os fatos e passar mentiras por verdades. Ninguém escapa. Alguns resistem, ficando indiferentes, apáticos, outros aderem. E há os que são devastados em suas privacidades e detonados em suas imagens e autoestima, sem direito à defesa ou a explicações, apunhalados pelas costas até por pessoas que consideravam íntimas e amigas.

Essa é uma das distorções de comportamento mais antigas e poderosas que existem. Já derrubou impérios, culturas e pessoas que poderiam ter feito mais pela humanidade do que lhes foi possível. É um desvio de conduta que, como um ácido, corrói as relações e entrava o fluxo do bem. Quando o ser humano não se transforma para melhor, é porque está reforçando o que tem de pior. É como um tiro no pé, pois quem é autor hoje poderá ser vítima amanhã.

A maledicência, ação ou ato de falar mal dos outros, é uma atitude condenável, pois sua ação multiplica-se quando é feita em público ou através dos meios de comunicação, não havendo mais controle. Infelizmente, é utilizada como arma por muitas pessoas para destruir vidas e, até mesmo, bons trabalhos.

Não há agrupamento humano livre da maledicência, que pode estar presente até em instituições inspiradas em ideais religiosos a serviço do bem. Geralmente, o maledicente não percebe que seu vício gera um clima de autodestruição, pois incomoda-lhe o brilho das outras pessoas. Muitos evitam a amizade dos maledicentes, receosos de que suas deficiências sejam expostas.

Do mesmo modo que existe um tipo de julgamento feito para prejudicar e afastar pessoas, existe, por outro lado, o oposto, falar bem, edificando, transformando, reaproximando e retendo o que é bom. Certamente essa escolha tornaria a vida de todos mais edificante.

(Revista Cidade Nova. jun. 2014. Adaptado)

De acordo com o texto, é correto afirmar que

  1. a
  2. b
  3. c
  4. d
  5. e
Código da questão
Q55485Ca
04

(Enem-2019) - Irerê, meu passarinho do sertão do Cariri, Irerê, meu companheiro, Cadê viola? Cadê meu bem? Cadê Maria? Ai triste sorte a do violeiro cantadô! Ah! Sem a viola em que cantava o seu amô, Ah! Seu assobio é tua flauta de irerê: Que tua flauta do sertão quando assobia, Ah! A gente sofre sem querê! Ah! Teu canto chega lá no fundo do sertão, Ah! Como uma brisa amolecendo o coração, Ah! Ah! Irerê, solta teu canto! Canta mais! Canta mais! Prá alembrá o Cariri!

Nesses versos, há uma exaltação ao sertão do Cariri em uma ambientação linguisticamente apoiada no(a)

  1. a
  2. b
  3. c
  4. d
  5. e
Código da questão
Q61392Ca
05

(OBJETIVA - 2015 - Venâncio Aires - RS - Agente Comunitário de Saúde) - Os adolescentes e o sono

Como todos sabemos, os adolescentes, quando podem, dormem mais horas por dia do que as crianças e os adultos. Têm não só o costume de ir dormir mais tarde do que seus irmãos mais jovens ou mais velhos, mas também de acordar muito mais tarde no dia seguinte. Gostam de ter, no mínimo, suas boas nove horas de sono; se os deixam, até mais. Como diria qualquer adolescente, isso não é assim devido a um hábito ou a uma atitude contestadora; deve-se a que “o corpo lhes pede isso”, e o corpo é o interlocutor a quem todos nós, jovens ou velhos, mais obedecemos. Quando não podemos satisfazer nossas necessidades mais primárias, ocorrem problemas em todas as áreas.

De noite, na hora de dormir, o cérebro manda o lobo intermédio da hipófise produzir melatonina, que é o hormônio que induz o sono. Nosso ciclo sono/vigília (dormir/despertar) é regulado diariamente pela produção de melatonina no início da noite e de cortisol no início da manhã. Do ciclo melatonina/cortisol, repetido diariamente, dependem outros, como os envolvidos na _______ de todos os demais hormônios do organismo, incluindo a adrenalina, que nos mantém ativos quando acordados, mantém os hormônios sexuais e outros.

Na verdade, os hormônios do organismo estão interligados, e o atraso na produção de um deles causa um descompasso em todos os outros, assim como as funções do organismo que esses hormônios regulam, entre elas a formação das memórias, ou seja, os aprendizados da escola e da vida diária.

Resguardar o sono dos adolescentes é importante para que depois, na vida adulta, eles possam ter mais conhecimentos úteis para o seu desempenho geral e permanecer longe de sintomas depressivos.

http://www.grupoa.com.br/revista-patio/... - adaptado

De acordo com o texto, analisar a sentença abaixo:

Devido a um hábito ou a uma atitude contestadora, os adolescentes, quando podem, dormem mais horas por dia do que as crianças e os adultos (1ª parte). Quando não podemos satisfazer nossas necessidades mais primárias, ocorrem problemas em todas as áreas, pois as funções do nosso corpo são reguladas por hormônios e o atraso na produção de um deles causa um descompasso em todos os outros (2ª parte).

A sentença está:

  1. a
  2. b
  3. c
  4. d
Código da questão
Q56020Ca
06

(INSTITUTO AOCP - 2020 - Prefeitura de Novo Hamburgo - RS - Assistente Administrativo) - 

 ENTENDENDO DIALETOS


                                                                                                                                                      Clara Braga


Quem já teve a oportunidade de conviver minimamente com uma criança, sabe que o processo de aprender a falar pode render boas histórias.
As crianças, antes de desenvolverem 100% dessa habilidade, parece que criam um dialeto. E engana-se quem acha que o dialeto de todas as crianças é igual e que, se você entende o que seu sobrinho ou priminho fala, vai entender todas as crianças.
O dialeto da criança é tão complexo que, com exceção de poucas palavras que todas parecem falar de uma forma igual, só aquela criança fala aquela língua e só uma pessoa entende 100% do que está sendo dito: o ser que eu chamo de “pãe”.
“Pãe” seria a mistura do pai e da mãe, pois raramente um dos dois entende tudo o que o filho está dizendo, eles podem entender a frase toda pelo contexto, mas decifrar e compreender palavrinha por palavrinha, é um trabalho de grupo.
Às vezes pode parecer complicada essa coisa de não entender o que a criança está querendo dizer, mas confiem, em alguns momentos isso pode ser bom.
Outro dia estava em um restaurante com meu filho e, como toda criança, ele ficou um tempo sentado e depois foi explorar a redondeza. Fui acompanhando e, no caminho, encontramos uma avó que estava acompanhando a neta enquanto a mãe jantava no mesmo restaurante onde estávamos. A senhora começou a puxar assunto com meu filho, na tentativa de aproximar a neta. Meu filho se mostrou aberto à aproximação e ia respondendo tudo que a senhora perguntava. Lá pelas tantas, quando eu já estava surpreendida com a quantidade de palavras que a senhora estava entendendo do dialeto do meu filho, ele decidiu pegar algo com a mão e mostrar para a senhora e para a pequena netinha o quão forte ele era. Foi então que a senhora soltou a frase: uau, como você é forte!
Ele respondeu com uma de suas frases prediletas, aprendida por causa de seu interesse e do vício do pai pelo universo dos heróis: Hulk esmagaaaaaa! Mas ele não disse com um ar doce, ele disse como se estivesse com raiva e de fato esmagando o que estava na sua mão, tudo isso enquanto olhava bem nos olhos na netinha da senhora.
Eu fiquei um pouco assustada e com receio do que viria depois, já dei um riso meio sem graça e estava procurando uma desculpa para aquela frase nada acolhedora. Porém, os santos do dialeto me salvaram. Quando ouviu a frase a senhora logo respondeu para meu filho: ah sim, você é forte porque come manga! Vou dar muita manga para minha netinha, assim ela fica forte como você! Fiquei aliviada com a interpretação que ela fez da frase que, para mim, ele tinha dito com muita clareza. Muito melhor uma neta comendo muita manga do que traumatizada com um bebê que estava prestes a ficar verde e esmagar as coisas ao redor. Acho que vou optar por mostrar para ele desenhos com frases mais amigáveis, ele está indo bem no processo da fala, mas talvez algo mais dócil ajude no processo de socialização.


Disponível em:
<http://www.cronicadodia.com.br/2020/01/entendendo-dialetos-clara-braga.html>. Acesso em: 04 fev. 2020.

Considerando o tema, a estrutura e a linguagem do texto, é possível afirmar que ele é

  1. a
  2. b
  3. c
  4. d
  5. e
Código da questão
Q58609Ca
07

(CESPE - 2019 - TJ-AM - Assistente Judiciário - Programador) - 

Leia o TEXTO 2 para responder à questão.

TEXTO 2

caetanoveloso João Gilberto foi o maior artista com que minha alma entrou em contato. Antes de completar 18 anos, aprendi com ele tudo sobre o que eu já conhecia e como conhecer tudo o que estivesse por surgir. Com sua voz e seu violão, ele refez a função da fala e a história do instrumento. Pôs em perspectiva todos os livros que eu já tinha lido, todos os poemas, todos os quadros, todos os filmes que eu já tinha visto. Não apenas todas as canções que ouvi. E foi com essa lente, esse filtro, esse sistema sonoro que eu passei a ler, ver e ouvir. Aos 88 anos, com aspecto de quem não viveria mais muito tempo, João morrer é acontecimento assustador. Orlando Silva, Ciro Monteiro, Jackson do Pandeiro, Ary, Caymmi, Wilson Batista e Geraldo Pereira não teriam sido o que são não fosse por João Gilberto. Tampouco Lyra, Menescal e Tom Jobim. Ou os que vieram depois. E os que virão. O Hino Nacional não seria o mesmo. O mundo não existiria. Sobretudo não existiria para o Brasil. Que era uma região ensimesmada e descrente da vida real fora de suas fronteiras. João furou a casca. O samba não seria samba sem Beth Carvalho cantando “Chega de Saudade”. A música não seria música sem a teimosia de João. Ele foi uma iluminação mística. Nenhum aspecto do mundo que ele sempre tocou tão rente pode ameaçar a grandeza da verdade de sua arte. E isso era sua pessoa. É sua pessoa, em todos os sons gravados em matéria ou na minha memória.

1. Em SP, na inauguração do Credicard Hall em 1999.
2. Caetano e João – Buenos Aires, em 1999.
3. Caetano, João e Gal | No estúdio da Tupi, em 71.
4. Turnê na Europa, com @zecaveloso e Luana Costa.
5. Em 1990, durante o festival Internacional de Jazz na França.

#CaetanoVeloso #JoãoGilberto #RIPJoaoGilberto #ChegaDeSaudade

VELOSO, Caetano. Texto do Instagram, Rio de janeiro, 7 jul. 2019. Instagram: caetanoveloso. Disponível em: https://www.instagram.com/p/BznikdLlgke/. Acesso em: 7 jul. 2019.
Releia o trecho:
Orlando Silva, Ciro Monteiro, Jackson do Pandeiro, Ary, Caymmi, Wilson Batista e Geraldo Pereira não teriam sido o que são não fosse por João Gilberto. Tampouco Lyra, Menescal e Tom Jobim. Ou os que vieram depois. E os que virão.
No trecho, Caetano Veloso usa conectores (subentendidos ou explicitados) para sinalizar determinadas relações de sentido e imprimir o rumo argumentativo que deseja dar ao seu texto. Nos quatro casos, as relações sintático-semânticas expressas pelos conectores são, respectivamente, de

  1. a
  2. b
  3. c
  4. d
  5. e
Código da questão
Q55279Ca
08

( IF-PE - 2019 - IF-PE - Assistente em Administração ) - Leia o TEXTO 1 para responder à questão.

TEXTO 1

(1) Uma instituição centenária e, ao mesmo tempo, inovadora. Duas expressões que traduzem o perfil do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Pernambuco (IFPE), cujas origens remontam ao ano de 1909, quando foi criada a Escola de Artífices do estado, e ao surgimento das escolas agrotécnicas federais ao longo da primeira metade o século XX. Hoje, essa tradição secular é ressignificada numa proposta pedagógica que está à frente do seu tempo.
(2) No IFPE, as atividades de ensino estão diretamente associadas à pesquisa e à extensão. O envolvimento com trabalhos científicos é incentivado desde as etapas iniciais através de bolsas, programas e eventos acadêmicos. Os pesquisadores são amparados por uma ampla e moderna infraestrutura de salas e laboratórios especializados com equipamentos de última geração. Os últimos anos têm sido dedicados, especialmente, ao fomento de pesquisa aplicada e de novas tecnologias. Produtos desenvolvidos por docentes e estudantes do IFPE são, atualmente, patenteados e absorvidos pelo mercado, contribuindo para avanços nas mais diversas áreas.
(3) Os projetos de extensão, por sua vez, cumprem o papel de fazer com que o conhecimento ultrapasse, de fato, os muros da instituição. São ações que realizam uma intervenção direta na comunidade, socializando saberes, experiências e, sobretudo, permitindo trocas. A cultura do empreendedorismo, da inovação e da economia criativa são dimensões que também pautam toda a comunidade escolar e acadêmica. No IFPE, o estudante ainda encontra um ambiente propício para a prática de atividades esportivas e o envolvimento com atividades artísticas e culturais, elementos também intrínsecos à formação profissional e à cidadã.
(4) É graças a essa atuação pluricurricular, sistêmica e conectada às demandas do mercado e da sociedade que o IFPE, hoje, tem um papel estratégico nas cidades onde os campi estão instalados e no cenário socioeconômico de Pernambuco. No litoral sul, atua fortemente na qualificação da mão de obra que atende ao porto de Suape e suas empresas. No lado norte, contribui para o abastecimento das indústrias automobilística e fármaco-química com a mão de obra local, permitindo que os moradores da região aproveitem a oportunidade gerada pela chegada desses empreendimentos aos seus municípios.
(5) No Agreste, Sertão e Zona da Mata, é mantido o olhar especial à agricultura e à pecuária, sempre pautado pela sustentabilidade, mas a isso se junta um novo foco voltado aos novos arranjos produtivos e às transformações sociais vivenciadas por essas localidades. Em 2014, a terceira fase da expansão do IFPE permitiu o desembarque em mais seis municípios da Região Metropolitana (Abreu e Lima, Cabo de Santo Agostinho, Igarassu, Jaboatão, Olinda e Paulista), além de Palmares, na Mata Sul, formando uma rede de suporte à região com o maior PIB do estado.
(6) Ao longo de sua história, o IFPE se consolidou como um espaço ofertante de uma educação pública, gratuita e de qualidade. Uma casa de educação que contribui diretamente com o desenvolvimento econômico local, mas sobretudo para a formação e inclusão de milhões de cidadãos. Uma instituição sólida, eficiente, renomada, em permanente estado de expansão e evolução.

Disponível em: https://portal.ifpe.edu.br/acesso-a-informacao/institucional. Acesso em: 18 jun. 2019. Adaptado.

A criação dos Institutos Federais, entre os quais o IFPE, contribuiu para a oferta de educação pública gratuita e de qualidade para a sociedade. Sobre algumas características dessa instituição centenária e inovadora, depreendidas do TEXTO 1, assinale a alternativa CORRETA.

  1. a
  2. b
  3. c
  4. d
  5. e
Código da questão
Q55317Ca
09

(EDUCA - 2019 - Prefeitura de Várzea - PB - Auxiliar de Serviços Gerais) - Leia o fragmento abaixo:

... Comprei portas, janelas, tijolos, tudo para a reforma do prédio...
Justifica-se, o uso da vírgula, pelo mesmo motivo em:

  1. a
  2. b
  3. c
  4. d
  5. e
Código da questão
Q55847Ca
10

(IBFC - 2018 - CBM-SE - Soldado do Corpo de Bombeiro) - 

Texto I

Após a guerra

(Lima Barreto)

Decididamente, os homens não tomam juízo e mesmo a Morte, que deve ser a soberana de todos nós, é impotente para nos pôr na cachola um pouco de bom senso elementar.

Há um ano que as hostilidades entre povos de diversos feitios e estágios de civilização foram suspensas, após uma carnificina nunca vista nos anais da história escrita.

As mais cruéis campanhas da antiguidade, com os seus massacres subsequentes, nada são comparadas com essa guerra que se desdobrou por todo o antigo continente.

Cidades, aldeias, monumentos insubstituíveis do passado foram destruídos, sem dó nem piedade, à bala de canhões descomunais e pelo fogo implacável.

Aquela região da Europa que, depois da Itália, é das mais interessantes sob o ponto de vista artístico, além de outros, foi calcada aos pés pelos exércitos alemães, arrasada, queimada. Quero falar da Flandres, tanto a belga como a francesa.

O espetáculo após a guerra é de uma tristeza sem limites. Não é daquela grandiosa tristeza do Oceano que nos leva a grandes pensamentos; é o de uma tristeza que nos arrasta a pensar na imensa maldade da espécie humana.

Não se sente isso só no que se vê ou se tem notícia por aqueles que viram; mas também na fome, na miséria que lavra nas populações dos países vencidos e vencedores.

Coisas mais invisíveis ainda enchem-nos dessa tristeza inqualificável que nos faz maldizer a espécie humana, a sua inteligência, a sua capacidade de aproveitar as forças naturais, de aprender um pouco do mistério das coisas, para fazer tanto mal.

Os nascimentos, se não diminuíram aqui e ali, a mortalidade infantil aumentou e as crianças defeituosas ou sem peso normal surgiram à luz em número maior que nos transatos anos de paz.

A atividade intelectual toda ela se orientou para os malefícios da guerra; e foi um nunca acabar de inventar engenhos mortíferos ou aumentar o poder dos já existentes. Os químicos, os maiores, trataram de combinar nos seus laboratórios corpos de modo a obter gases que fossem portadores da morte e misturas incendiárias que o mesmo fizessem. [...]

Ao longo do texto, apreende-se, por parte do emissor, em relação à raça humana, uma visão:

  1. a
  2. b
  3. c
  4. d
Código da questão
Q54989Ca

Especial Concurso BB

Veja mais »