Expandir Menu PrincipalPesquisarPor Estado

Concurso Banco Central em foco

Você que pensa em concorrer a uma vaga de Analista do BACEN, aproveite os meses precedentes para tomar uma decisão!

Publicado em 25/07/2012 - 23h25 • Comunicar erro

Faltam poucos meses para que aqueles que pretendam ainda participar do próximo concurso do Banco Central do Brasil tomem alguma decisão substancial. Se todos deixarem para tomar uma atitude quando o período de inscrição for divulgado em edital, certamente pouco poderá ser feito: em 2009, entre o início das inscrições e a aplicação das provas para o certame do órgão, se passaram apenas cerca de dois meses.

Que a seleção irá acontecer, ninguém duvida. Conforme noticiamos no aqui, a expectativa é de que novo concurso para o Bacen deva sair no começo de 2013 (até março, pelo menos), oferecendo oportunidades para analistas, procuradores (nível superior) e técnicos de nível médio. O número preciso de vagas ainda dependerá da análise prévia do Ministério do Planejamento, onde já existe um pedido formal aguardando apreciação e parecer. Mas se o pedido for aprovado do jeito que está, serão por volta de 1.850 oportunidades.

Os atuais servidores do Bacen percebem salários que oscilam entre R$5,2 a R$13,2 mil e desfrutam, claro, dos outros benefícios inerentes à carreira. Para disputar uma das vagas de Analista do Banco Central (independente da área), é preciso ter diploma de conclusão de curso de graduação de nível superior, devidamente reconhecido pelo MEC, em qualquer Área de Conhecimento. Já para concorrer a um dos postos de técnico, será preciso ter formação de nível médio.

Para quem esteja seriamente pensando em se focar nas oportunidades para o nível superior  aqui vão alguns lembretes, tomando como base o último edital da seleção, realizada em 2009, para 350 vagas.

Processo de seleção dos candidatos - sexteto parada dura!

Em primeiro lugar, é preciso lembrar que o processo seletivo pelo qual passarão os futuros candidatos a uma das oportunidades de Analista do Bacen, será efetivamente "pesado", como diríamos nós, concurseiros. Somente na primeira etapa da seleção de 2009, administrada pela banca da Cesgranrio, os candidatos passaram pelas seguintes fases:

a) prova objetiva, de conhecimentos gerais, de caráter eliminatório e classificatório;

b) prova objetiva, de conhecimentos específicos, de caráter eliminatório e classificatório;

c) prova discursiva, de caráter eliminatório e classificatório;

d) avaliação de títulos, de caráter classificatório;

e) sindicância de vida pregressa, de caráter eliminatório.

A segunda etapa, igualmente preocupante, por ser eliminatória, foi composta pelo Programa de Capacitação, do qual participaram somente os candidatos aprovados e classificados na Primeira Etapa do concurso e que poderia apresentar conteúdos diferenciados, dependendo da Área de Conhecimento de opção do candidato no ato da inscrição.

Local de provasdeverei ter despesas extras, de novo!

As provas foram realizadas apenas em algumas regiões do país, portanto, se prepare para, além de investir algumas economias em materiais, taxa de inscrição (em 2009, custou R$ 110,00) e cursos, investir também em logística (passagens, alimentação e até hospedagem) rumo a outras cidades, que poderão ser - tomando como base o certame passado - Belém - PA, Belo Horizonte - MG, Brasília - DF, Curitiba - PR, Fortaleza - CE, Porto Alegre - RS, Recife - PE, Rio de Janeiro - RJ, Salvador - BA e São Paulo - SP.

E mais: as provas de 2009 foram realizadas praticamente o dia inteiro, nos turnos matutino e vespertino, tendo duração mínima de uma e máxima de quatro horas.

Prova Discursiva - redação ou estudo de caso?

Os candidatos a Analista em 2009, que optaram pela chamada "área 1" fizeram uma modalidade de Prova Discursiva chamada de "Estudo de Caso", a qual, segundo o regulamento, consistiu numa avaliação do "domínio de conteúdo dos temas abordados, a experiência prévia do candidato e sua adequabilidade quanto às atribuições do cargo para o qual se inscreveu".

Foi composta por quatro problemas práticos propostos, para os quais o candidato deveria apresentar por escrito as respectivas soluções, baseadas nos temas de teor pertinente aos conhecimentos específicos dispostos na lista de conteúdos programáticos para a área. Essa prova, por fim, teve caráter eliminatório e classificatório, sendo avaliada numa escala de 0 a 90 pontos, considerando-se habilitado o candidato que nela obteve nota padronizada igual ou superior a 40 pontos.

A Prova de Redação, propriamente dita, foi exigida dos candidatos inscritos para as demais áreas de analista (de 2 a 6). Os textos produzidos pelos candidatos seriam avaliados pela Cesgranrio, com base nos seguintes critérios:

– Estrutura e conteúdo: pertinência ao tema, respeito à modalidade de texto proposta, clareza e lógica na exposição das idéias; – Expressão: domínio correto da norma culta da Língua Portuguesa e das estruturas da Língua (adequação vocabular, ortografia, morfologia, sintaxe e pontuação): lembre-se de que em 2013, o novo acordo ortográfico precisará ser ponderado!

Outro detalhe importante diz reespeito ao número de linhas exigidas: a Redação para os cargos de Analistas áreas 2 a 6 deveria conter nada menos do que 45 e nada mais do que 50 linhas e seria necessário discorrer por escrito sobre "temas da prova de conhecimentos específicos, de acordo com os conteúdos definidos para cada Área de Conhecimento". O critério de pontuação foi o mesmo da prova Discursiva - área 1.

Portanto, concurseiro, não restam dúvidas de que o propósito dessa fase é necessariamente tentar depurar ao máximo o potencial de cada um de nós, no que se refira ao tratamento que damos à linguagem escrita. Redação precisará ser um assunto constantemente "treinado" por todos! Vai exigir assimilação dos conteúdos específicos, leituras paralelas e afins, muito treino de escrita, enfim, a máxima concentração possível. Com esse rol de exigências, não há razão para o candidato estudar todo o conteúdo e "deixar a redação para a hora H".

Avaliação de Títulos - levará melhor quem tiver mais bagagem curricular

Infelizmente (ou será felizmente?), este será um dos itens no qual o mérito acadêmico terá seu valor reconhecido. Em 2009, dependendo da área escolhida, fez significativa diferença para os candidatos o possuir, por exemplo, diploma de curso de doutorado ou mestrado nas áreas de Informática, Administração, Ciências Atuariais, Engenharia, Economia, Finanças, Estatística, Matemática, Física, entre outras, do mesmo modo que fez diferença o possuir comprovação de exercício de atividade profissional de nível superior, na área pública ou na iniciativa privada, em cargos especializados de Economia, Estatística ou Finanças.

Além disso, aqueles candidatos que tiveram produção intelectual publicada na área para a qual se inscreveram (artigos ou ensaios em livros ou em revistas especializadas, de publicação periódica) também pontuaram um pouco mais. Para determinada área, até mesmo possuir graduação plena em áreas como Administração, Comunicação, Contabilidade, Ciências Políticas, Sociologia, Pedagogia, Psicologia e outras siginificou ganho de pontos.

Sem dúvidas, isso torna para muitos concursandos ainda mais difícil o ingresso nos quadros do Bacen, uma vez que as titulações adicionais podem decidir quem fica e quem sai do páreo, por melhor que tenha sido o aproveitamento precedente, nas provas objetivas e discursivas. Porém, trata-se de um critério justo, na medida em que procura sempre dar um tom meritocrático às seleções - e isso é muito bem vindo, sempre. 

Fim de papo: sindicância da vida pregressa

Para encerrar nossos lembretes - que tanto poderão empolgar a muitos como deixar aos outros bem mais atentos - diremos que essa fase do certame (sindicância de vida pregressa) será de responsabilidade do próprio Banco Central. A burocracia aqui é extremamente necessária, pois afinal, estarão sendo contratados os  futuros servidores de um banco com quase 50 anos de história, com a característica de ser o "banco dos bancos", considerada a "autoridade monetária" do país.

Assim, se você for um dos felizardos que chegarem até aqui em 2013 (ou 2014, já que as nomeações demoram), certamente cumprirá todas as exigências com a maior boa vontade do mundo e não se atrapalhará com a quantidade de certidões, folhas, declarações e cópias que deverá providenciar.

Um abraço e feliz concurso para nós todos!

Informar erros: alberto@concursosnobrasil.com.br

Sobre o Autor/Blog

Dicas sobre concursos públicos. Artigos, reportagens especiais e materiais de estudo que vão ajudar na sua preparação. Fale com a redação: Alberto Vicente Silva (alberto@concursosnobrasil.com.br)

Deixe a sua opinião