Dicas de Português: análise sintática, processos de coordenação e subordinação

A análise sintática "serve" para examinar o texto, as suas estruturas e os elementos que o compõem.

A análise sintática "serve" para examinar o texto, as suas estruturas e os elementos que o compõem. O texto é composto por orações e períodos. A oração é uma frase que possui verbo, enquanto o período é o conjunto de orações. Exemplo:

- A menina caiu da bicicleta quando fez a curva.

Nesse exemplo há duas orações porque há dois verbos (“cair” e “fazer”). Entenda que, cada termo da oração tem uma função específica e é isso que a análise sintática tem como objetivo, determinar essa função. E esses termos podem ser classificados como essenciais, integrantes e acessórios.

  • Essenciais: sujeito e predicado.
  • Integrantes: objeto direto e objeto indireto, complemento nominal e agente da passiva.
  • Acessórios: adjunto adnominal, adjunto adverbial e aposto.

Essenciais e integrantes

Observe a frase:

  • A menina pegou a bola.

“A menina” é o sujeito e “pegou a bola” é o predicado. O verbo é o “pegar” que é classificado como transitivo direto e “a bola” é o complemento do verbo, o objeto direto. Uma forma de determinar a classificação dos objetos é perguntando ao verbo. Veja: quem pega, pega alguma coisa. Quando a pergunta não necessita de uma preposição, o verbo é transitivo direto. Observe a diferença nessa frase:

  • Eu preciso de você.

O verbo precisar é transitivo indireto. Faça a pergunta: quem precisa, precisa “de” alguém. O termo “de” é uma preposição, logo, a expressão “de você” é um objeto indireto.

O complemento nominal serve para complementar um termo que não seja verbo dentro da oração. Diferentemente do objeto indireto, o complemento nominal completa um substantivo, adjetivo e advérbio e não um verbo. Por exemplo: A menina teve orgulho do pai. A expressão “do pai” complementa o sentido de “orgulho”.

O agente da passiva sempre está acompanhado de duas preposições, “por” e “de”. Se o verbo estiver na voz passiva, o agente será aquele que praticará a ação do verbo. Veja: O pássaro foi capturado pelos agentes. A expressão “pelos agentes” é o agente da passiva.

Acessórios

Já os termos que são acessórios na oração caracterizam algo. O adjunto adnominal, por exemplo, especifica o substantivo. Não há uma regra específica, pode ser artigos, locuções, pronomes, adjetivos e mais. Exemplo: Seu olhar singelo é lindo. O termo “singelo” é o adjunto adnominal. Veja outro exemplo: O passeio de barco me cansou. A expressão “de barco” é um adjunto adnominal.

Por outro lado, o adjunto adverbial funciona como advérbio dentro da oração. Logo, vamos rever os tipos de advérbios: afirmação, negação, intensidade, dúvida, tempo, companhia, causa, finalidade, lugar, meio e assunto. Exemplo: Isso está muito difícil! O termo “muito” é um adjunto adverbial.

E o aposto explica um termo na oração. Exemplo: A Carol, menina sapeca, entrou na escola. A expressão “menina sapeca” está explicando quem é a Carol. A expressão é o aposto da oração.

Coordenação e Subordinação

Dentro da análise sintática, os períodos podem ser classificados em: composto por coordenação, subordinação ou coordenação e subordinação. O período de coordenação é composto por orações que são autônomas, independentes entre si, mas que juntas complementam o sentido da frase. Exemplo: Eu dormi e sonhei com você. Observe que ambas as orações são independentes, isto é, fazem sentido se fossem separadas.

Já o período composto por subordinação apresenta orações que são dependentes entre si, são subordinadas. Veja: O bolo que ela fez ainda deixava lembranças. As duas orações não podem ser separadas.

E ainda há o período composto por coordenação e subordinação que, nada mais é, a junção dos dois. Exemplo: O juiz entrou na quadra e permitiu que o jogo começasse. Há três orações. As duas primeiras são coordenadas e a terceira é subordinada.

Existem 5 tipos de classificações para orações coordenadas:

  • Oração coordenada aditiva: acresce uma informação. Ex: Eu dormi e sonhei.
  • Oração coordenada adversativa: apresenta um contraste. Ex: Eu passei no vestibular, mas não sei se é isso que quero.
  • Oração coordenada alternativa: apresenta alternância. Ex: Ora você gosta de mim, ora você some.
  • Oração coordenada conclusiva: conclui a ideia. Ex: Não gosto daqui. Portanto, pedirei a minha demissão.
  • Oração coordenada explicativa: tem como objetivo explicar. Ex: Você está errado porque tenho provas.

Já no período de subordinação há duas categorias: orações subordinadas adjetivas (função de adjetivo) e orações subordinadas adverbiais (função de advérbio).

Orações subordinadas adjetivas

Orações subordinadas adjetivas podem ser duas: restritivas e explicativas. As restritivas limitam o que a frase quer dizer. Exemplo: Se não fosse pela mulher que me ajudou, não teria conseguido. O sentido da “mulher” é único, não é generalizado, é específico, é uma mulher X. Já nas orações explicativas, o sentido é mais abrangente: O homem, um ser racional, busca ser melhor em todos os campos da vida. A expressão “um ser racional” está entre vírgulas e, portanto, está generalizando todos os homens não apenas um.

Orações subordinadas adverbiais

Podem ter 9 classificações:

  • Oração subordinada adverbial causal: expressa causa. Ex: Não posso opinar, uma vez que não tenho direito.
  • Oração subordinada adverbial concessiva: indica permissão. Ex: Você pode fazer isso, mesmo que não tenha experiência.
  • Oração subordinada adverbial condicional: expressa condição. Ex: Se você conseguir, ganhará uma recompensa.
  • Oração subordinada adverbial comparativa: indica uma comparação. Ex: Os olhos azuis são bonitos como o do pai.
  • Oração subordinada adverbial consecutiva: relação de causa e consequência. Ex: Acordei tão atrasado que não consegui entrar na faculdade.
  • Oração subordinada adverbial final: indica uma finalidade. Ex: Eu fiz isso para subir na vida.
  • Oração subordinada adverbial temporal: expressa tempo. Ex: Chorei por você quando foi embora.
  • Oração subordinada adverbial proporcional: indica proporção. Ex: Fui amolecendo à medida que percebi que te amava.
  • Oração subordinada adverbial conformativa: expressa conformidade. Ex: Fiz o que você pediu conforme as regras.

Para ajudar na classificação, convém retomar os advérbios e separá-los em tabelas. Assim, a oração subordinativa adverbial ficará mais fácil!

Deixe o seu comentário

Formulario para Comentário

Mais Dicas