Expandir Menu PrincipalPesquisarPor Estado

Dicas sobre Figuras de linguagem para provas de concursos

As figuras de linguagem exploram o sentido conotativo das palavras.

Publicado em 10/01/2017 - 21h06 • Comunicar erro

As figuras de linguagem são componentes da Língua Portuguesa que permitem interpretar de diferentes formas palavras ou frases. O primeiro aspecto que necessita de atenção é acerca da diferença entre denotação e conotação das sentenças. Sabendo disso, as figuras de linguagem podem ser facilmente encontradas e compreendidas. 

Denotação é o sentido da palavra do dicionário (sentido literal), ou seja, na frase “Maria está com a cabeça quente”, a expressão “cabeça quente” indica que a cabeça está realmente quente, talvez com a fronte avermelhada. No sentido conotativo, essa expressão pode indicar que Maria está nervosa, irritada.

As figuras de linguagem exploram o sentido conotativo das palavras! Então, vejamos algumas figuras logo abaixo:

Catacrese

A figura de linguagem catacrese indica quando um termo é definido utilizando o pedaço de outro. Por exemplo: cabeça do alfinete. Não existe uma palavra que descreva a cabeça do alfinete, logo, utiliza-se outra para explicar.

Comparação

A comparação é muito utilizada. Como o próprio nome diz, ela compara dois termos. Exemplo: Maria é protetora como leoa. Percebe-se que na comparação, usa-se muito a expressão “como”.

Metáfora

Trata-se de uma das figuras mais populares da língua, talvez até usada para caracterizar muitas figuras que, a rigor, nem seriam metáforas.

Muitas pessoas acabam confundindo comparação com a metáfora. A metáfora também é uma comparação, entretanto, é discutido que uma coisa é parecida com a outra, por conta das semelhanças. Exemplo: "Seus olhos eram cachoeiras". Geralmente, na metáfora há um verbo de ligação diretamente "conectado" à figura que se deseja expressar, por comparação, mas sem o emprego do "como", que é mais indicativo de comparação simples ("seus olhos eram como cachoeiras").

Metonímia

Já a metonímia consiste em substituir um termo por um outro, havendo relações diversas entre eles. Veja o exemplo: "Gosto de ler Paulo Freire": quer dizer que a pessoa gosta dos livros de Paulo Freire e não necessariamente da pessoa Paulo Freire (quando era viva...).

Perífrase

Perífrase é também conhecida como antonomásia. São os chamados apelidos, quando substituímos o nome próprio por outro, como o caso do Tiradentes, que é o Joaquim José da Silva Xavier.

Sinestesia

Na sinestesia há a junção, aparição dos 5 sentidos do corpo para complementar o sentido de uma expressão. O sabor dos seus lábios me lembrava mel.

Assíndeto

A figura de linguagem assíndeto consiste em não aparecer nenhum tipo de conjunção, sem ligação. Geralmente, é mais visível em textos. Exemplo: Fui ao shopping, bebi, comi, assisti, fui feliz.

Pleonasmo

O pleonasmo é fácil de observar, por ser considerado redundância, repetição muitas vezes involuntária, de forte apelo popular e muitas vezes até despercebida. Exemplo: Sobe lá em cima! Desça para baixo.

Polissíndeto

Ao contrário do assíndeto, o polissíndeto consiste na repetição de conjunções coordenativas. Às vezes, essa figura de linguagem é utilizada de propósito para dar ênfase, como recurso estilístico. Exemplo: Eu fui lá e fiz aquilo e também conversei com ela e fui embora depois.

Repetição

Também chamado de iteração, é a repetição de palavras e termos para reforçar uma ideia. Exemplo: Ou você vai até lá ou você vai procurá-la.

Apóstrofe

Quando se invoca pessoas. Geralmente, “céus”, “Deus”, o apóstrofe é muito utilizado.

Ironia

Muitos podem não saber, mas a ironia também é uma figura de linguagem! Ela serve para exprimir um comentário que diz o contrário. Veja o exemplo: "você é muito inteligente, tirou zero!"

Antítese

Antítese é o confronto de ideias opostas, como: céu e inferno, não sei qual é o pior.

Eufemismo

De modo para aliviar a situação ou suavizar expressões, se utiliza o eufemismo. Veja: Ele partiu para uma melhor, em vez de dizer “ele morreu”.

Hipérbole

Quando se fala uma ideia de uma forma muito exagerada, podendo ser até um recurso estilístico para indicar dramaticidade, por exemplo. Veja: Você quebrou o coração em milhões de pedaços.

Prosopopeia

A prosopopeia é conhecida pela personificação dada às expressões a fim de atribuir outros tipos de qualidade. Por exemplo: A mesa rugia com a classe. Rugir é um termo para indicar o som dos leões.

Onomatopeia

A onomatopeia se usa muito nas histórias em quadrinhos e tirinhas, mas na linguagem cotidiana e em outros meios também. Esta figura representa o equivalente, em palavras, ao que seja mais próximo de determinados sons, seja produzidos por diversos seres vivos, seja fenômenos gerais, instrumentos musicais, entre outros. Exemplos: “Cocoricó” (alguma aproximação verbal ao que seria o som que as aves domésticas produzem), “Pow” (bomba), “Blém, blém” (sinos), “cof, cof" (tosse).

Referência bibliográfica:

REIS, Benedita Aparecida Costa dos; GARCIA, Maria Cecília. Minimanual Compacto de Gramática Língua Portuguesa: teoria e prática. São Paulo: Editora Rideel, 2.ed., 2000.

Sobre o Autor/Blog

Dicas sobre concursos públicos. Artigos, reportagens especiais e materiais de estudo que vão ajudar na sua preparação.

Deixe a sua opinião